The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AOS PARTICIPANTES NO CAPÍTULO GERAL
DACONGREGAÇÃO DOS SERVOS DA CARIDADE
(OBRA DE DOM GUANELLA)

Sábado, 29 de Janeiro de 2000

Caríssimos Religiosos guanelianos
Irmãos e Irmãs no Senhor

1. Dirijo a minha cordial saudação a todos vós, que estais a celebrar nestes dias o Capítulo Geral da Congregação dos Servos da Caridade. Dirijo um particular pensamento de felicitações e de bons votos ao Rev.do Pe. Nino Minetti, que confirmastes no cargo de Superior-Geral. Estes votos tornam-se extensivos a D. Protógenes José Luft, presente neste encontro capitular, que nestes dias nomeei Bispo Coadjutor de Barra do Garças, no Brasil. O Senhor os assista nas respectivas tarefas, para que saibam corresponder aos desígnios que Ele fez para a Congregação e a Igreja no início de um novo milénio. A minha saudação quer alcançar, através de vós aqui presentes, todos os Membros da Obra de Dom Guanella que se encontram na Europa, na África, na Ásia e nas Américas.

Durante os trabalhos do Capítulo, detivestes-vos a reflectir e a rezar sobre um tema estimulante que formulastes: "Identidade carismática e testemunho profético dos Servos da Caridade na Igreja e no mundo do terceiro milénio cristão". De facto, esta é uma ocasião oportuna como nunca para redescobrir a riqueza e a vitalidade do carisma confiado pelo Senhor ao vosso Fundador, o Beato Luís Guanella, no mundo de hoje.

2. O regresso às fontes genuínas da espiritualidade e do testemunho evangélico da Congregação ajudar-vos-á a realizar um aprofundado discernimento para compreender quais são a vontade de Deus e os apelos do Espírito nesta histórica passagem para o terceiro milénio cristão. Este empenho alimentará em todos um renovado impulso para se tornar epifania crível do amor e da ternura de Deus perante as expectativas dos pobres e as necessidades das pessoas que vivem à margem da sociedade.

O testemunho da caridade é a grande profecia do tempo actual. Neste Jubileu do ano 2000, no qual a "Porta Santa" é simbolicamente mais ampla para manifestar a grandeza do amor misericordioso de Deus, deve alargar-se a toda a Igreja também a tenda da caridade, a fim de poder receber as multidões de pobres presentes na actual sociedade. Este é um desafio inicial que se apresenta à Família religiosa guaneliana.

Sei que estais a cultivar o desejo de expandir a vossa presença e o vosso testemunho de caridade também nas nações da África e do Extremo Oriente, através de itinerários concretos de apoio a pessoas em dificuldade ou marginalizadas. Encorajo-vos a prosseguir por este caminho, valorizando a vossa experiência pedagógica e pondo à disposição de quantos se encontram em necessidade os vossos recursos espirituais e a vossa competência.

3. Este empenho fundamental, que visa sobretudo responder às necessidades imediatas e concretas dos pobres, deve contudo ser seguido de um anúncio profético que alcance as próprias estruturas da sociedade, que estão na base de tantas injustiças e opressões em relação às camadas mais débeis. Eis o segundo e mais empenhativo desafio para os que escolheram seguir Cristo, bom Samaritano, que se inclina sobre as chagas físicas e espirituais do homem. Trata-se de incidir, com a força do Evangelho, sobre os processos culturais e sociais, a fim de tornar o ânimo humano capaz de mudar os seus critérios de juízo e os modelos de vida que estão em contraste com os desígnios de Deus.

Perante tais desafios empenhativos, o luminoso exemplo do Beato Luís Guanella levar-vos-á a escolher como critério fundamental do vosso ser e do vosso agir o mandamento do amor, transformado em opções concretas de serviço e de promoção dos mais pobres. Isto far-vos-á estar presentes nas fronteiras da caridade, com plena confiança na Providência.

Assim como no passado, a vossa Família religiosa pode contar com o contributo efectivo de numerosos colaboradores e colaboradoras leigos. Fascinados pelo carisma guaneliano, eles partilham generosamente a vossa missão de "bons samaritanos" ao lado dos marginalizados, vivendo assim a fundamental vocação evangélica à caridade.

A presença na Assembleia capitular de uma representação de Irmãs guanelianas e de um grupo de leigos é, neste sentido, significativa como nunca. Ela ajudar-vos-á a aprofundar a unidade e a consolidar a colaboração entre os filhos espirituais de Dom Guanella, para tornar mais eficaz o seu testemunho de caridade e o empenho por um mundo mais justo e fraterno.

4. No espírito do Beato Fundador, perante um mundo muitas vezes atingido por tensões e individualismos, sois cada vez mais sinal visível de diálogo e comunhão fraterna, e testemunhas críveis de reconciliação e paz.

Sabei principalmente redescobrir todos os dias as profundas raízes espirituais da vida comunitária e do serviço de caridade, a fim de continuardes a ver no irmão, sobretudo no que se encontra só e em dificuldade, um autêntico dom da Providência. Na vossa actividade quotidiana, como nas relações recíprocas, esteja sempre vivo o ideal da unidade, indicado por Jesus no "testamento" deixado aos discípulos durante a Última Ceia: Pai, que eles sejam uma coisa só, para que o mundo creia (cf. Jo 17, 21).

Ao desejar que as indicações que surgiram do Capítulo Geral, que estais a celebrar no contexto do Grande Jubileu do Ano 2000, dêem ao vosso Instituto um renovado impulso e vitalidade no empenho espiritual, na vida de fraternidade e no serviço aos pobres e aos marginalizados, invoco a celeste protecção de Nossa Senhora e do Beato Luís Guanella, e abençoo-vos de coração, juntamente com todas as comunidades guanelianas espalhadas pelo mundo.

© Copyright 2000 - Libreria Editrice Vaticana

top