The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AOS PARTICIPANTES NO XXXIV CAPÍTULO GERAL
DOS PADRES ESTIGMATINOS

Sábado, 12 de Fevereiro de 2000

Caríssimos Irmãos Estigmatinos!

1. É com alegria que vos acolho, no contexto espiritual e eclesial do Grande Jubileu do Ano 2000, por ocasião do XXXIV Capítulo Geral da vossa Congregação. Juntamente com os peregrinos, que chegam a Roma de todas as partes do mundo, também vós aqui viestes de quatro continentes, em representação dos mais de 400 Coirmãos, para discernir aquilo que o Espírito pede hoje, no alvorecer do terceiro milénio, aos filhos de São José Bertoni. Eu mesmo tive a alegria de celebrar a canonização do vosso Fundador, na solenidade de Todos os Santos de 1989. Ele nutria uma especial devoção pelo Sucessor de Pedro e pela Sé Apostólica, e a vossa visita hodierna quer ser um renovado sinal da mesma.

2. Nas suas Constituições, o Fundador definiu os membros da Congregação "missionari apostolici in obsequium episcoporum". Portanto, sois pessoas que, com todas as forças e com a graça particular da vocação, desejais cooperar na actuação da missão apostólica. No espírito e na esteira do Fundador, exerceis o ministério paroquial com especial atenção à juventude; dedicais-vos à pregação e à formação do clero; estais empenhados na missão ad gentes na América Latina, África e Ásia. Alguns de vós foram chamados ao serviço episcopal, de modo especial no Brasil; há pouco mais de um mês, conferi a sagração episcopal ao Padre José Pasotto, Administrador Apostólico do Cáucaso. Este facto, que atesta a fidelidade e generosidade dos Estigmatinos, é para mim motivo de reconhecimento.

Convosco oro ao "Senhor da messe" para que suscite numerosas e boas vocações na vossa família religiosa, para sustentar as obras que empreendestes, mas também para vos permitir abrir novas, lá aonde a missão do Redentor quiser guiar os passos dos membros da Congregação.

3. Como tema central dos vossos trabalhos capitulares, propusestes-vos a partilha fraterna no seio da comunidade religiosa, para dardes ao mundo o testemunho do amor de Deus. Trata-se de um valor típico da vida consagrada, posto em grande relevo durante a Assembleia sinodal de 1995 e plenamente acolhido na Exortação Apostólica que se lhe seguiu. Reflectir e trabalhar nessa perspectiva é hoje mais necessário do que nunca, para mostrar aos homens do nosso tempo, condicionados por uma difundida mentalidade individualista, "como é belo, como é agradável viverem os irmãos em unidade" (Sl 132, 1), para que assim todos reconheçam que sois discípulos de Cristo (cf. Jo 13, 35).

A vida comunitária das pessoas consagradas constitui um eloquente sinal da comunhão eclesial, substanciado antes de tudo pela experiência ordinária de partilha fraterna: signum fraternitatis (cf. Exort. Apost. Vita consecrata, 42). Múltiplas são as formas concretas em que se põe em prática a fraternidade, segundo a variedade dos carismas e as características dos Institutos. Único, porém, é o amor, difundido nos diferentes membros pelo mesmo Espírito Santo.

4. Este Ano Santo, que a Igreja quer como um grande hino à Santíssima Trindade, é mais propício do que nunca para dar espaço à dimensão contemplativa da vida consagrada, a fim de que esta, absorvendo a linfa que deriva das suas raízes teológicas, seja intimamente renovada e fortalecida. A fraternidade evangélica é, de facto, irradiação da comunhão trinitária, e desta deve constantemente alimentar-se, mediante a Palavra de Deus, os sacramentos da Eucaristia e da Reconciliação e a oração quotidiana.

Assim escrevia, a respeito disso, o vosso Fundador: "Pois nada concilia tanto o amor de verdadeira caridade para uma pessoa quanto o descobrir nela singulares qualidades de virtudes e dons do Espírito Santo e o contemplá-la como imagem de Deus, representada com as mais belas cores da graça: se, pois, todos se esforçarem por crescer nestas virtudes e nestes dons, e os apreciar com frequência nos outros, gostarão de considerar no próprio coração os outros como superiores a si mesmos, de gozar dos dons espirituais que vêem neles e por isto de dar graças a Deus: a caridade recíproca crescerá entre eles de modo admirável" (Const., 223).

5. A partilha não se limita à vida fraterna da comunidade, mas estende-se ao ministério, ao compromisso dos leigos, e ao nível das estruturas eclesiais locais. Por esta razão é preciso renovar, sem tréguas, o empenho de fraternidade e de conversão, na consoladora certeza de que o Senhor está presente lá onde se procura sinceramente viver segundo o seu mandamento do amor.

A vossa assembleia sugeriu também indicações práticas, para que entre os Coirmãos de todas as idades se aprofunde o exercício da partilha espiritual e apostólica. Com efeito, é este um apoio indispensável à missão apostólica característica da vossa Congregação, isto é, de servir a Igreja sob a direcção dos Bispos. Ajudar-se de maneira recíproca na comunhão favorecendo, por assim dizer, a circulação do amor divino, derramado nos corações de cada um pelo Espírito Santo, é uma condição primordial para exercer a missão apostólica, com frequência "árdua e difícil" e "exposta a perigos", uma missão que "não depende das forças do homem, mas da graça do Espírito Santo". Desse modo, "Aquele que inspirou e iniciou a obra, Ele mesmo a conduzirá à plena realização" (Const., 185).

Ao fazer minhas as palavras, a vós bem conhecidas e queridas, do venerado Fundador, oro ao Senhor, por intercessão da Virgem Santa, para que faça frutificar o vosso empenho nestes dias de trabalho comum, e de coração abençoo-vos juntamente com todos os vossos Coirmãos.

© Copyright 2000 - Libreria Editrice Vaticana

 

top