The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II 
PRONUNCIADO N
A SOLENIDADE 
DA TRANSFIGURAÇÃO DO SENHOR

Domingo, 6 de Agosto de 2000
 Festa da Transfiguração do Senhor

 

Preparamo-nos para celebrar a Santa Missa na solenidade da Transfiguração do Senhor, trazendo no coração a recordação sempre viva do Servo de Deus Paulo VI, vinte e dois anos depois do seu "êxodo" para a eternidade.

A liturgia hodierna convida-nos a dirigir o olhar para o rosto do Filho de Deus que no alto do monte, como de maneira concorde atestam os Sinópticos,  se  transfigura  diante  de  Pedro, Tiago  e  João,  enquanto  da  nuvem  a voz do Pai proclama:  "Este é o Meu Filho amado. Escutai o que Ele diz" (Mc 9, 7). São Pedro, ao recordar com emoção o evento, afirmará:  "Fomos testemunhas  oculares  da  Sua  majestade" (2 Pd 1, 16).

Na época actual, penetrada pela chamada "civilização da imagem", torna-se mais incisivo o desejo de poder encher os próprios olhos com a figura do divino Mestre, mas é oportuno recordar as suas palavras:  "Felizes os que acreditam sem terem visto" (Jo 20, 29). Foi precisamente olhando com os olhos da fé o rosto admirável de Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, que viveu o venerado e inesquecível Paulo VI. Ao contemplá-lo com amor ardente e apaixonado, ele disse:  "Cristo é beleza:  beleza humana e divina, beleza da realidade, da verdade, da vida" (Insegnamenti IX/1971, 36). E acrescentava:  "A figura de Cristo apresenta, sem alterar o encanto da sua misericordiosa doçura, também um aspecto grave e forte, formidável, se quiserdes, contra a vileza, as  hipocrisias,  as  injustiças,  as  crueldades,  mas  nunca  separado  de  uma soberana irradiação de amor" (ibid., pág. 56).

Enquanto, com ânimo grato, nos aproximamos do altar orando pela alma bendita deste grande Pontífice, desejamos, como ele e como os discípulos, dirigir também nós o olhar para o rosto radiante do Filho de Deus, a fim de sermos por ele iluminados. Peçamos a Deus, por intercessão de Maria, Mestra de fé e de contemplação, a graça de podermos acolher em nós a luz que brilha no rosto de Cristo, de maneira a reflectir a sua imagem sobre todos aqueles dos quais nos aproximamos.      

Com estes sentimentos iniciamos a Santa Missa, invocando antes de mais a misericórdia do Senhor.

                      

top