The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO SANTO PADRE
 AOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DOS
MISSIONÁRIOS DO ESPÍRITO SANTO

12 de Maio de 2001

 


Queridos Missionários do Espírito Santo

1. A paz do Ressuscitado e a presença do seu Espírito estejam sempre convosco! Agradeço-vos de coração esta visita que me faz a vossa Cúria Geral e agradeço ao Superior-Geral, Padre Jorge Ortiz González, as carinhosas palavras que me dirigiu.

O nosso encontro está em sintonia com o que o meu Predecessor São Pio X teve em 1913 com os Veneráveis Servos de Deus Ramón Ibarra y González, Arcebispo de Puebla, e Conceição Cabrera de Armida, que lhe pediram a autorização para o início da fundação. Foi naquela ocasião que recebestes o nome de Missionários do Espírito Santo, do qual o vosso Fundador, o Venerável Servo de Deus, Padre Félix de Jesus Rougier, disse que constituía "o programa da vossa vida religiosa e sacerdotal".

Continuai com ânimo renovado a obra que a Igreja vos confiou! Sei que enquanto Cúria Geral tendes uma tarefa específica, delineada na indicação que o Espírito Santo traçou no vosso XIII Capítulo Geral:  "Entrar no terceiro Milénio conscientes de que, consagrados pela missão, é necessário aprofundar e orientar, com fidelidade criativa, o vosso trabalho pastoral".

Queridos filhos, prossegui o trabalho delicado que vos compete, e sob a orientação do Espírito Santo, ajudai os vossos irmãos para que ofereçam na Igreja um testemunho eloquente de unidade e caridade pastoral.

2. Desejo convidar-vos, nesta ocasião, a fixar o olhar no Rosto de Cristo; foi o que pedi a toda a Igreja na minha última Carta apostólica Novo millennio ineunte (cf. n. 16-28). De acordo com o carisma que recebestes, contemplai-o ungido pelo Espírito Santo, para anunciar a Boa Nova aos pobres e proclamar o ano de graça do Senhor (cf. Lc 4, 18-19); olhai para ele quando emprega o seu tempo e os seus esforços para seguir de perto o caminho espiritual dos seus discípulos (cf. Mc 6, 7-13.30-33). Por conseguinte, o vosso modelo é Jesus Sacerdote, compassivo e misericordioso; Jesus Vítima voluntária de um amor que se consagra em cada momento até dar a vida pela salvação de todo o género humano e que ressuscita glorioso.

Desta contemplação surge a urgência de uma conversão pessoal e comunitária profunda e continuada, que requer, como dizia o vosso Fundador, que renoveis a vossa atenção amorosa a Deus, de forma a poder encontrá-l'O na oração quotidiana, na experiência sacramental, na escuta atenta da Palavra.

3. Na vida da Igreja e de cada Instituto religioso a unidade é favorecida pela contemplação do Ressuscitado e pela escuta atenta da Palavra. Desejaria recordar-vos que procurar, promover e rezar pela comunhão é tarefa de todos. Não se trata da uniformidade que faz perder as próprias características, mas do esforço por encarnar todos juntos, a riqueza do corpo comunitário, movidos pelo mesmo Espírito e comprometidos em realizar uma missão idêntica. Como disse o Senhor:  "É por isto que todos saberão que sois Meus discípulos:  se vos amardes uns aos outros" (Jo 13, 35).

O XIII Capítulo Geral traçou, para o vosso Instituto, pontos claros de renovação acerca da promoção da santidade no Povo de Deus. Trata-se de construir juntos um mundo mais justo e humano em que todos se sintam irmãos segundo o desígnio de Deus. Por isso, o Capítulo pediu-vos que dinamizeis significativa e efectivamente o vosso serviço aos sacerdotes e às Obras da Cruz. Ao mesmo tempo orientou-vos para vos renovardes e empenhardes no exercício ministerial da direcção espiritual.

4. Estimulados pelo Espírito, "Duc in altum" (Lc 5, 4), fazei-vos ao largo, transformando o vosso compromisso em orientações pastorais que correspondam às exigências do vosso carisma e às necessidades das comunidades que vos foram confiadas.

Orientai os vossos esforços para a difusão de uma verdadeira e própria pedagogia da santidade (cf. Carta apostólica Novo millennio ineunte, 31) conscientes de que "todos os fiéis, seja qual for o seu estado ou classe, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade" (Constituição dogmática Lumen gentium, 40).

Por isso, considerando que as vossas Constituições privilegiam os sacerdotes entre os destinatários da vossa missão pastoral (205), devereis renovar a consciência de que a chamada à santidade "diz respeito antes de tudo a nós, Bispos e a vós, caríssimos sacerdotes. Antes de interpelar o nosso "agir", interpela o nosso "ser". "Sede santos diz o Senhor porque Eu sou santo" (Lev 19, 2)" (Homilia da Missa Crismal, n. 2; ed. port. de 21 de Abril de 2001, pág. 6).

Na minha Exortação apostólica Pastores dabo vobis encontrareis indicações úteis e sugestões pormenorizadas que darão luz ao vosso procedimento neste ministério especial. Deixai-vos guiar pelo Espírito Santo, para que seja Ele mesmo quem vos estimula na vossa fidelidade criativa. A colaboração fraterna com os bispos e presbíteros diocesanos é um caminho privilegiado para construir, de acordo com o vosso carisma, a Igreja-comunhão.

5. Devereis continuar a empenhar-vos, com todos os que partilham a mesma espiritualidade, na construção de uma verdadeira comunhão eclesial. "O novo século há-de ver-nos empenhados mais intensamente na valorização e desenvolvimento dos sectores e instrumentos que, segundo as grandes directrizes do Concílio Vaticano II, servem para assegurar e garantir a comunhão" (Carta apostólica Novo millennio ineunte, 44; cf. 43-45). Convido-vos a promover, entre os membros da Família da Cruz, "uma espiritualidade da comunhão, elevando-a ao nível de princípio educativo em todos os lugares onde se plasma o homem e o cristão, onde se educam os ministros do altar, os consagrados, os agentes pastorais, onde se constroem as famílias e as comunidades" (Ibid., 43).

Além disso, como escrevi na Exortação apostólica Pastores dabo vobis, "é preciso redescobrir a grande tradição do acompanhamento espiritual pessoal, que sempre deu tantos e tão preciosos frutos, na vida da Igreja" (n. 40). Continuai com alegria e empenho o vosso estudo e preparação no que as vossas Constituições chamam "o mais característico dos vossos meios pastorais" (229).

6. O vosso Capítulo Geral quis tratar o  tema  das  vocações  e  a  internacionalização do Instituto visto a partir da óptica do mandato que a Igreja recebe do Ressuscitado:  "Ide, pois, ensinai todas as nações" (Mt 28, 19) e em recordação da figura e dos anseios do vosso Fundador (cf. XIII Capítulo Geral, Prioridade, 3).

A vivência alegre e generosa da vossa consagração, uma maior definição nos vossos ministérios pastorais e o amor fraterno nas vossas comunidades, se transformem num convite dirigido a todos os que procuram o seguimento radical de Jesus na vocação religiosa e sacerdotal. "Além de promover a oração pelas vocações, é urgente empenhar-se, através  de  um  anúncio  explícito  e  uma catequese  adequada,  para  favorecer nos que são chamados à vida consagrada aquela resposta livre, pronta e generosa, que torna operante a graça da vocação" (Exortação apostólica Vita consecrata, 64).

Queridos filhos, ao regressardes à vossa pátria, recordai-vos das palavras de Jesus:  "E Eu estarei sempre convosco, até ao fim do mundo" (Mt 28, 20). O Espírito Santo vos acompanhe sempre e vos dê força para continuar a obra que a Igreja vos confiou.

Entrego-vos aos braços maternos de Maria, Mãe da Igreja, para que entreis no Novo Milénio repletos de alegre esperança.



top