The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO SANTO PADRE
 AOS MEMBROS DA
SOCIEDADE DAS MISSÕES AFRICANAS

19 de Maio de 2001


 

Enquanto vos apresento a todos vós as minhas calorosas boas-vindas por ocasião da vossa Assembleia Geral, saúdo de modo especial o vosso neo-eleito Superior-Geral, Pe. Kieran O'Reilly, a quem agradeço as amáveis palavras que pronunciou no nome de todos vós. Saúdo também o seu imediato predecessor, Pe. Daniel Cardot, que orientou a vossa Sociedade ao longo dos últimos seis anos.

Ao aproximar-vos do fim da vossa primeira Assembleia Geral do novo milénio, encorajo-vos a haurir em abundância da rica tradição espiritual do Grande Jubileu do Ano 2000, enquanto renovais o vosso compromisso na missão e na evangelização. Um novo século e milénio começaram à luz de Cristo mas, como escrevi na minha recente Carta Apostólica, "nem todos, porém, vêem esta luz. A nós cabe a tarefa maravilhosa e exigente de ser o seu "reflexo"" (Novo millennio ineunte, 54). Num mundo em que há muitas luzes que distraem e são até mesmo contrárias à pura luz de Cristo, deveis procurar ser cada vez mais como Jesus alimentando-vos com a sua palavra e radicando-vos firmemente na oração e na contemplação de maneira a poderdes reflectir com fidelidade a sua luz e fazer com que os outros efectivamente cheguem ao seu conhecimento.

Apraz-me ver hoje no meio de vós, jovens missionários naturais da África e da Ásia; trata-se de uma indicação positiva do crescente carácter internacional da vossa Sociedade. Continuai a promover e a alimentar as vocações missionárias, porque "o anúncio do Evangelho requer proclamadores, a messe tem necessidade de trabalhadores" (Redemptoris missio, 79). Os vossos esforços, que visam inserir os leigos no vosso trabalho missionário, constitui outro elemento essencial na plantatio Ecclesiae em terras de missão, pois é através de um laicado amadurecido e responsável que a mensagem cristã e o exemplo da santidade cristã são incutidos de modo mais imediato na vida da sociedade. À imitação de nosso Senhor e Mestre, renovai o vosso compromisso de trabalhar com os pobres, especialmente com os refugiados, que têm urgente necessidade de um sinal do amor de Deus. Enfrentai o desafio do diálogo religioso, um caminho ao qual a Igreja deve prestar maior atenção neste novo milénio. Defendei a vida humana em cada fase da sua existência, desde a concepção até à morte natural, e não deixeis de tornar as pessoas mais conscientes da sua responsabilidade de transformar as suas comunidades e culturas, de acordo com as verdades salvíficas do Evangelho.

Queridos Amigos, por ocasião do nosso breve encontro quero encorajar-vos na vossa empresa missionária e exortar-vos a ser fiéis ao espírito que recebestes do vosso Fundador, o Servo de Deus Marion de Brésillac. Portanto, repletos de esperança e de entusiasmo, ide e enfrentai com confiança os desafios do novo milénio, com o olhar perenemente fixo na Bem-Aventurada Virgem Maria, que permanece para sempre a "aurora luminosa e a guia segura do nosso caminho" (Novo millennio ineunte, 58). A vós aqui presentes, assim como a cada um dos membros e amigos da Sociedade das Missões Africanas, concedo do íntimo do coração a minha Bênção apostólica.

 

 

top