The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO SANTO PADRE
 NA FESTA DAS FAMÍLIAS

Praça de S. Pedro 20 de Outubro de 2001

 

 
1. Prezadas famílias
desta amada nação, que vos reunistes em Roma para confirmar a vossa fé e a vossa vocação, saúdo cada uma de vós, estreitando-vos num grande abraço. Saúdo também as famílias hóspedes, provenientes de vários países do centro-leste europeu, com as quais agora me encontro. Dirijo a minha saudação ao Cardeal Camillo Ruini, Presidente da Conferência Episcopal Italiana, aos outros Senhores Cardeais e Bispos aqui presentes, assim como às Autoridades políticas e civis.

É com grande afecto que vos recebo a todos nesta Praça, coração da Igreja universal. Nesta tarde, graças à alegre presença de muitas famílias cristãs, ela transforma-se numa grande Igreja doméstica. Agradeço-vos a vossa calorosa saudação e a alegria que me proporcionais fazendo-me sentir, por minha vez, acolhido no vosso coração.

Este encontro constitui uma nova etapa do caminho, que no ano passado nos viu reunidos aqui na Praça de São Pedro, juntamente com muitos de vós e com inúmeras famílias do mundo inteiro, para celebrar o grande Jubileu. Encontramo-nos aqui para confirmar este caminho e para voltar a fixar o olhar em Jesus Cristo, Luz que "vos chama a iluminar com o vosso testemunho o caminho da humanidade pelas vias do novo milénio!" (Discurso na Vigília de 14 de Outubro de 2000, em:  ed. port. de L'Osservatore Romano de 21.10.2000, pág. 5, n. 9).

2. Para este encontro, escolhestes o tema:  "Acreditar na família é construir o futuro". Trata-se de um tema comprometedor, que nos convida a reflectir sobre a verdade da família e, ao mesmo tempo, sobre o seu papel para o futuro da humanidade. Nesta reflexão, podemos ser orientados por algumas interrogações:  "Por que acreditar na família?". Em seguida:  "Em que família acreditar?". E finalmente:  "Quem é que deve acreditar na família?".

Para responder à primeira pergunta, devemos partir de uma verdade originária e fundamental:  Deus acredita firmemente na família. Desde o início, desde o "princípio", ao criar o ser humano à sua imagem e semelhança, homem e mulher, Ele quis colocar no centro do seu projecto a realidade do amor entre o homem e a mulher (cf. Gn 1, 27). Toda a história da salvação é um apaixonado diálogo entre o Deus fiel, que os profetas descrevem com frequência como o noivo e o esposo, e a comunidade eleita, a esposa, muitas vezes tentada pela infidelidade, mas sempre esperada, procurada e novamente amada pelo seu Senhor (cf. Is 62, 4-5; Os 1-3). A confiança que o Pai tem em relação à família é tão forte que, pensando também nela, enviou o seu Filho, o Esposo, que veio para redimir a sua esposa, a Igreja e, nela, cada homem e cada família (cf. Carta às Famílias, 18).

Sim, queridas famílias:  "O Esposo está convosco!". A partir desta presença, acolhida e correspondida, brota a particular e extraordinária força sacramental, que transforma a vossa íntima união de vida em sinal eficaz do amor entre Cristo e a Igreja e vos considera como sujeitos responsáveis e protagonistas da vida eclesial e social.

3. O facto de Deus ter criado a família como fundamento da convivência humana e como paradigma da vida eclesial exige, da parte de todos, uma resposta determinada e convicta. Na Familiaris consortio, da qual se celebra o vigésimo aniversário, tive a oportunidade de dizer:  "Família, torna-te aquilo que tu és!" (cf. n. 17). E hoje, acrescento:  "Família, acredita naquilo que tu és!"; acredita na vocação a ser um sinal luminoso do amor de Deus.

Este encontro permite-nos agradecer a Deus os dons concedidos à sua Igreja e às famílias que, durante estes anos, fizeram um tesouro dos ensinamentos conciliares e das instruções contidas na Familiaris consortio. Além disso, devemos dar graças à Igreja que está na Itália e aos seus Pastores, por terem contribuído de maneira determinante para a reflexão sobre o matrimónio e sobre a família, com a publicação de importantes documentos como Evangelização e sacramento do matrimónio que, a partir do ano de 1975, permitiu realizar uma verdadeira transformação na pastoral familiar, e sobretudo o Directório de pastoral familiar, publicado no mês de Julho de 1993.

4. A segunda interrogação leva-nos a reflectir sobre um aspecto de grande actualidade, porque nos dias de hoje, à volta da família, se manifestam opiniões tão diferentes a ponto de levar a pensar que já não existe qualquer critério que a qualifique e a defina. Ao lado da dimensão religiosa da família, há também a sua dimensão social. O valor e o papel da família são igualmente evidentes a partir deste ponto de vista. Hoje, infelizmente, assistimos à difusão de visões deturpadas e mais perigosas do que nunca, alimentadas por ideologias relativistas, maciçamente propagadas pelos mass media. Na realidade, para o bem do Estado e da sociedade, é de importância fundamental salvaguardar a família assente sobre o matrimónio, compreendido como acto que sanciona o compromisso recíproco, publicamente expresso e regulado, a plena assunção das responsabilidades mútuas e em relação aos filhos, e o título   dos  direitos  e  dos deveres  como  núcleo  social  primordial,  sobre  o  qual  se  fundamenta a vida da nação.

Quando falta a convicção de que a família fundada sobre o matrimónio não pode, de maneira alguma, ser comparada a outras formas de agregação afectiva, está a ser ameçada a própria estrutura social e o seu fundamento jurídico. O desenvolvimento harmónico e o progresso de um povo dependem, em vasta medida, da sua capacidade de investir na família, garantindo a níveis legislativo, social e cultural a plena e efectiva realização das suas funções e das suas tarefas.

Estimadas famílias, num sistema democrático, torna-se fundamental dar voz às razões que motivam a defesa da família fundada sobre o matrimónio. Ela é a principal fonte de esperança para o futuro da humanidade, como está bem expresso na segunda parte do tema escolhido para este encontro. Por conseguinte, a nossa esperança é de que os indivíduos, as comunidades e os sujeitos sociais acreditem cada vez mais na família fundamentada sobre o matrimónio, lugar de amor e de solidariedade autêntica.

5. Na realidade, para olhar com confiança para o futuro, é necessário que todos acreditem na família, assumindo as responsabilidades correspondentes à sua própria missão. Assim, respondemos à terceira pergunta, da qual partimos:  "Quem é que deve acreditar na família?". Em primeiro lugar, gostaria de realçar o facto de que os primeiros garantes do bem da família são os próprios cônjuges, tanto vivendo com responsabilidade, todos os dias, os compromissos, as alegrias e os cansaços, como dando voz, com formas associadas e iniciativas culturais, a instâncias sociais e legislativas idóneas para sustentar a vida familiar. É conhecido e estimado o trabalho realizado durante estes anos pelo Foro das Associações Familiares, a quem faço extensivo o meu apreço por tudo quanto leva a cabo e também pela iniciativa denominada Family for family, com a qual pretendeis revigorar os relacionamentos de solidariedade entre as famílias italianas e as dos países do Leste europeu.

Uma particular responsabilidade pesa sobre os políticos e sobre os governantes, a quem compete realizar as regras constitucionais e reconhecer as instâncias mais autênticas da população composta, na sua vastíssima maioria, por famílias que fundaram a sua união sobre o vínculo matrimonial. Por conseguinte, é justo que se esperem intervenções legislativas, centradas sobre a dignidade da pessoa humana e sobre a correcta aplicação do princípio de subsidiariedade entre o Estado e a família; intervenções estas que são capazes de dar uma solução a problemas importantes, e sob muitos aspectos decisivos, para o futuro do país.

6. É importante e urgente, de maneira particular, realizar plenamente um sistema escolar e educativo que tenha o seu centro na família e na sua liberdade de opção. Não se trata, como algumas pessoas erroneamente afirmam, de tirar à escola pública para conceder à escola privada, mas sobretudo de superar uma injustiça substancial que penaliza todas as famílias, impedindo uma efectiva liberdade de iniciativa e de escolha. Desta forma, impõem-se outras responsabilidades sobre os indivíduos que desejam exercer o direito fundamental de orientar a matéria educativa dos filhos, escolhendo  escolas  que  prestem  um serviço  público,  apesar  de  não  serem estatais.

É para desejar também um decidido salto de qualidade na programação das políticas sociais, que deveriam ser consideradas cada vez mais como a centralidade da família para decidir em conformidade com as suas necessidades, as opções nos âmbitos do planeamento residencial, da organização do trabalho, da definição do salário e dos critérios de arrecadação dos impostos.

Além disso, deve reservar-se uma atenção especial à legítima preocupação de muitas famílias que denunciam uma crescente degradação nos instrumentos de comunicação que, transmitindo a violência, a banalidade e a pornografia, se revelam cada vez menos atentos à presença das crianças e dos seus direitos. As famílias não podem ser abandonadas a si mesmas pelas instituições e pelas forças sociais, no esforço de garantir aos filhos ambientes sadios, positivos e ricos de valores humanos e religiosos.

7. Dilectas famílias, ao enfrentardes estes grandes desafios, não vos desanimeis e não vos sintais isoladas:  o Senhor acredita em vós; a Igreja caminha convosco; os homens de boa vontade olham para vós com confiança!

Sois chamadas a ser protagonistas do futuro da humanidade, delineando o rosto deste novo milénio. Nesta tarefa, sois assistidas e orientadas pela Virgem Maria, nossa Mãe, presente aqui no meio de nós numa sua imagem particularmente venerada. A Nossa Senhora de Loreto, Rainha da Família, que na casa de Nazaré, juntamente com o seu esposo José, experimentou as alegrias e os cansaços da vida familiar, confio todas as vossas esperanças, invocando a sua celeste protecção.

Caríssimos esposos, o Senhor vos confirme no compromisso assumido com as promessas conjugais no dia das núpcias. O Papa e a Igreja rezam por vós. É do íntimo do coração que vos abençoo a vós, juntamente com os vossos filhos!

 

 

          

top