The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO SANTO PADRE
 POR OCASIÃO DO 20º ANIVERSÁRIO
DA "FUNDAÇÃO JOÃO PAULO II"

23 de Outubro de 2001  


Ilustres Senhores

Saúdo cordialmente cada um de vós, que viestes a Roma para celebrar solenemente o vigésimo aniversário da Fundação João Paulo II. Saúdo o Conselho da Fundação com o seu Presidente, D. Szczepan Wesoly, os directores das várias instituições da Fundação, assim como os presidentes e os membros dos Círculos dos Amigos da Fundação que vêm da Bélgica, Dinamarca, França, Indonésia, Espanha, Canadá, México, Alemanha, Polónia, Singapura, Estados Unidos da América, Suíça, Venezuela e Grã-Bretanha. Sinto-me feliz por me poder encontrar convosco e receber-vos hoje.

Quando, há vinte anos, instituí a Fundação, desejei que ela empreendesse uma ampla actividade:  cultural, científica, social e pastoral. Queria que se formasse um ambiente que apoiasse e aprofundasse os vínculos entre a Sé Apostólica e a nação polaca, e que se ocupasse da difusão, no mundo, do património da cultura cristã e do magistério da Igreja. Daquele desejo surgiu o programa. Previa que a Fundação assumisse o esforço de reunir a documentação referente ao Pontificado e difundisse o ensinamento pontifício e o magistério da Igreja. A segunda tarefa devia ser a promoção da cultura cristã mediante o estabelecimento de relações e da colaboração com os centros científicos e artísticos polacos e internacionais, assim como através da ajuda oferecida aos jovens, sobretudo da Europa Centro-Oriental na consecução da instrução. A sede da Fundação devia ser a Casa Polaca na Via Cassia, em Roma. Ela devia tornar-se o "ponto de encontro com as culturas e com as tradições, com vários cursos da história no âmbito de uma grande cultura que é a cultura cristã, a história da Igreja, e também a história da humanidade" (Audiência, 7 de Novembro de 1981).

Se hoje, vinte anos depois, volto àquelas premissas, é porque me parece ser já possível, com uma referência a elas, procurar fazer uma avaliação da actividade da Fundação. Não é uma tarefa difícil. De facto, todos os anos, o Conselho da Fundação, me apresentava uma relação pormenorizada daquilo que era realizado. Portanto, estou a par do facto de que, graças às iniciativas de trinta e seis Círculos dos Amigos da Fundação em catorze países e graças à generosidade de milhares de homens de boa vontade em todo o mundo, foi instituído um fundo, que garante o funcionamento de quatro importantes instituições:  da casa Polaca em Roma, do Centro de Documentação do Pontificado, do Instituto de Cultura Cristã e da Casa da Fundação João Paulo II em Lublim.

Também sei que a Casa de Roma oferece uma grande ajuda organizativa e pastoral aos peregrinos que chegam aos umbrais apostólicos. O Centro de Documentação do Pontificado está a tornar-se um autêntico centro de informação que diz respeito não só à actividade e ao ensino do Papa, mas também à vida da Igreja na complexa realidade do mundo de hoje, no espaço dos últimos vinte e três anos. A Casa Polaca e o Centro de Documentação formam a base material e espiritual para a actividade do Instituto de Cultura Cristã em Roma. Ele, estabelece os contactos com ambientes científicos e artísticos na Polónia e em todo o mundo. Por um lado procura alimentar a recordação das raízes cristãs da nossa cultura, por outro empreende o esforço de formar elites, que transmitirão este espírito cristão às gerações posteriores na Europa e nos outros Continentes. No âmbito da chamada "Universidade Estival" os jovens de todo o mundo têm a possibilidade de conhecer a história, da qual surge a tradição cristã e o presente da Igreja e do mundo, no qual esta tradição tem a sua continuação.

A iniciativa pela qual talvez nos devemos alegrar mais do que de qualquer outra é o fundo para as bolsas de estudo para os jovens da Europa central e oriental e de outros países da antiga União Soviética. Pelo que sei, mais de cento e setenta estudantes já formados deixaram os umbrais hospitaleiros da Casa da Fundação de Lublim. Depois de se terem formado em vários campos na Universidade católica de Lublim e nas outras universidades polacas, regressaram à própria pátria e tornaram-se zelosos promotores da ciência e da cultura baseadas no sólido fundamento dos valores perenes. Outros cento e cinquenta e cinco estudantes prosseguem os seus estudos. Recentemente pude visitá-los e conhecê-los pessoalmente. Como é preciosa esta obra! Quem investe no homem, no seu progresso total, nunca perde. Os frutos deste investimento nunca desaparecem.

Se a Fundação, depois de vinte anos, de actividade, pode dizer exegi monumentum, é precisamente pensando num monumento espiritual, que continuamente, mesmo sem clamor, é esculpido nos corações e nas mentes das pessoas, dos ambientes e de sociedades inteiras. Não existe um monumento para os nossos tempos, mais magnífico e duradouro, do que este que é forjado no bronze da ciência e da cultura.

Dirijo o meu obrigado de coração a todos os que no espaço de tempo destes vinte anos apoiaram de alguma forma a actividade da Fundação e aos que orientam esta actividade com sabedoria e dedicação. Peço-vos que não interrompais esta boa obra. Que ela continue a desenvolver-se. Que o esforço do todos, apoiado pela ajuda de Deus, continue a dar frutos magníficos.
Agradeço-vos a todos, ilustres senhores, por terdes vindo e por este encontro. Deus vos abençoe a todos!

Saúdo todos os que provêm das áreas anglófonas. A vós que estais empenhados em apoiar os ideais e a obra da Fundação João Paulo II exprimo o meu profundo apreço e a minha gratidão. Estais empenhados em transmitir a nossa herança cristã às gerações futuras, fazendo conhecer melhor os elementos importantes da cultura que alimentou e estimulou o espírito polaco na sua busca constante daquilo que é excelente. Durante os seus vinte anos de vida, a Fundação fez muito. Sinto-me particularmente feliz pelo que foi alcançado no sector vital da assistência à educação e à formação de homens e mulheres que levarão a marca de uma sabedoria e de uma experiência humana das quais o mundo tem urgente necessidade.

Vós, amigos da Fundação, provindes de muitos Países. Sois, como sempre, um sinal da universalidade da verdade e dos valores da nossa herança. São universais porque estão profundamente embebidos da mensagem evangélica e salvífica de Jesus Cristo. O Senhor Jesus vos ampare a vós e às vossas famílias no dom da fé recebida através desta herança! Obrigado.

 

 

         

top