The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO SANTO PADRE
AO EMBAIXADOR DA ARMÉNIA
POR OCASIÃO DA APRESENTAÇÃO
DAS CARTAS CREDENCIAIS

Sábado, 15 de setembro de 2001

 

Senhor Embaixador

1. Sinto-me feliz em receber Vossa Excelência no momento em que apresenta as Cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República da Arménia junto da Santa Sé. Agradeço-lhe as palavras gentis e ficar-lhe-ia grato se se dignasse transmitir a Sua Excelência o Senhor Robert Kocharian, Presidente da República, os meus agradecimentos pela saudação que me enviou.

2. É com alegria que me preparo para visitar, daqui a alguns dias, o seu País, para me encontrar com as autoridades civis e com o povo arménio, e para participar nas festividades do XVII centenário do cristianismo na Arménia. Sinto-me feliz por me poder encontrar com Sua Ex.cia o Presidente da República, recordando-me da visita que ele me realizou ao Vaticano há dois anos, e por desenvolver também as relações cordiais existentes entre a Santa Sé e o seu País. Esta viagem permitirá também dar prosseguimento e fortalecer o caminho de diálogo e de unidade empreendido com a Igreja arménia apostólica, sobretudo com Suas Santidades Vasken I e Karekin I, cuja memória aqui desejo honrar, recordando-me do seu compromisso na causa da unidade, felizmente prosseguido com Sua Santidade Karekin II, Patriarca Supremo e Catholicos de todos os Arménios.

Permita-me que agradeça, através de Vossa Excelência, a todas as Autoridades civis e religiosas que contribuíram para a preparação da minha próxima viagem.

3. Como Vossa Excelência acabou de recordar, o seu País tem uma longa história, e uma longa história cristã. Depois de uma primeira evangelização, que a tradição faz remontar aos Apóstolos Bartolomeu e Tadeu, São Gregório, o Iluminador, obteve a adesão da Arménia ao cristianismo, no início do século IV, através da conversão do rei Tiridates III, e sucessivamente, da sua família e de todo o seu povo. "Com o "baptismo" da comunidade arménia, a partir das suas autoridades civis e militares, surge uma nova identidade do povo, que se tornará parte constitutiva e inseparável do próprio ser arménio" (Carta Apostólica por ocasião do 1.700 aniversário do baptismo do povo arménio, n. 2), fazendo dele o primeiro povo oficialmente cristão na história. A obra de evangelização suscitou, a partir daquele momento, o nascimento de uma cultura original e forte, forjada na fé cristã, que se revelou no decurso dos séculos para os Arménios como o meio autêntico para preservar a sua identidade. A história da Arménia foi marcada por muitos sofrimentos, devidos em grande parte à sua posição geográfica, na fronteira com grandes potências; a Arménia sofreu ocupações e foi anexada em diversas ocasiões, mas manteve sempre a sua identidade cultural e religiosa. Por conseguinte, pode dizer-se que as raízes religiosas cristãs da Arménia são constitutivas da Nação.

Depois das enormes aflições no início do século passado, que culminaram nos trágicos acontecimentos de 1915 e na dispersão do exílio que se seguiu, o seu País retomou o caminho, até reencontrar, há dez anos, a sua independência. Como Vossa Excelência realçou, este caminho é longo para um povo que aspira por encontrar o seu justo lugar no concerto das nações, graças a uma cooperação mais forte com os seus vizinhos e a relações internacionais construtivas para o seu progresso económico, social e cultural. A Santa Sé encoraja todos os povos a desejarem legitimamente o bem-estar e a liberdade, recordando a cada um o dever de participar com paciência e tenacidade na construção da Nação com vista ao bem comum. De igual modo, convida-os incansavelmente ao diálogo com os seus vizinhos, para favorecer uma paz justa e duradoura entre todos e a concórdia entre as nações. A Santa Sé não duvida da capacidade do povo arménio de realizar estas legítimas aspirações.

4. A sua presença oferece-me a oportunidade de saudar a comunidade católica que vive na Arménia, reunida à volta do seu Pastor, Sua Beatitude Nerses Bedros XIX, Patriarca da Cilícia dos Arménios católicos, incluindo na saudação também o seu Predecessor, Sua BeatitudeJean-Pierre XVIII Kasparian. Sinto-me feliz por poder encontrar-me com os fiéis católicos, rezar com eles e poder assim, como Sucessor de Pedro, encorajá-los, para que fortaleçam cada vez mais a fé na fidelidade ao seu Baptismo e ao testemunho heróico de tantos irmãos seus, e para que contribuam, por sua vez, para o diálogo ecuménico e, juntamente com todos os concidadãos, para o bem do País.

5. Seja bem-vindo, Senhor Embaixador, no momento em que inicia a sua missão de Representante junto da Santa Sé e recebe os votos cordiais que formulo para o seu feliz cumprimento. Encontrará sempre junto dos meus colaboradores acolhimento e compreensão para o ajudar na sua nobre função.

Sobre Vossa Excelência, a sua família, os colaboradores e todo o povo arménio, invoco de coração a abundância das Bênçãos divinas.


  © Copyright 2001 - Libreria Editrice Vaticana

 

top