The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO SANTO PADRE JOÃO PAULO II
AOS PARTICIPANTES NA XI ASSEMBLEIA NACIONAL
 DA ACÇÃO CATÓLICA ITALIANA

26 de abril de 2002

 
Carísssimos adolescentes
jovens e adultos da Acção Católica

1. É-me particularmente grato acolher-vos em Audiência especial na ocasião da vossa XI Assembleia Nacional. A relação entre a Acção Católica e o Papa é muito estreita e foi-se consolidando ao longo do tempo. Desde o seu início, de facto, a vossa Associação teve na pessoa e no ensinamento do "Padre branco" um ponto de referência qualificada para os próprios programas e a própria acção. Esta ligação caracteriza-se por uma sólida amizade, que encontra a sua expressão em alguns encontros significativos:  em cada ano, no Natal, os jovens da ACR vêm transmitir-me os bons votos, enquanto, de três em três anos, nos voltamos a ver por ocasião da vossa Assembleia Nacional.

Saúdo de modo especial o Cardeal Camillo  Ruini,  Presidente  da  Conferência Episcopal Italiana e os Bispos que vos acompanharam, a Presidente Nacional,  Senhora  Paola  Bignardi,  o Assistente Eclesiástico Geral, Mons. Francesco Lambiasi, os outros Assistentes e Responsáveis. Faço extensiva a minha saudação a cada um de vós, que tomais  parte  na  Assembleia  e  a  todos os inscritos.

2. Nesta circunstância, desejo antes de mais nada dizer-vos obrigado pelo vosso amor à Igreja, que a fé vos faz sentir como a vossa família. Obrigado pelo vosso empenho na vida ordinária das comunidades paroquiais. Sei que vós "estais presentes", mesmo quando a vossa presença prefere os modos discretos de se confundir entre o Povo de Deus no serviço humilde e quotidiano.

Este vosso serviço eclesial nunca se reduza a um mero activismo, antes seja um sinal concreto da compaixão com que o Senhor se inclina sobre o sofrimento dos pobres e pede a cada um que abra o seu coração aos dramas de quantos estão em dificuldade.

Continuai a construir no interior do Povo de Deus laços de comunhão e de diálogo:  nos Conselhos pastorais, nas relações com os sacerdotes e com os outros grupos e movimentos. O vosso serviço será muito mais apreciado, se souberdes fazer mostrar de modo brando e sereno o rosto maduro de um laicado aberto e disponível.

Para esta finalidade, é importante formar verdadeiras consciências cristãs, através de uma formação dirigida a jovens e adultos, aos mais novos e aos mais velhos, às famílias e aos adolescentes. É-me agradável, neste contexto, dirigir uma palavra de particular apreço a todos aqueles que na Acção Católica exercem um serviço de educação, empenhando-se em acompanhar as pessoas com o ensino e a escuta, com a compreensão e o apoio da exortação e do exemplo. Na história da Juventude Feminina estava em uso o mote:  "o ideal vale mais do que a vida".

Especialmente vós, queridos formadores, sabei fazer entrever aos mais jovens a beleza de uma existência ainda hoje pronta a gastar-se pelo ideal que Cristo propõe no Evangelho.

3. Permiti-me aproveitar esta feliz ocasião para vos confiar algumas mensagens, que tanto me estão a peito.

Antes de mais nada, quero dizer-vos que a Igreja não pode renunciar à Acção Católica. A Igreja tem necessidade de um grupo de leigos que, fiéis à sua vocação e unidos à volta dos legítimos Pastores, estejam dispostos a compartilhar, juntamente com eles, o trabalho quotidiano da evangelização em todo os ambientes.

Como recentemente escreveram os vossos Bispos, "o vínculo directo e orgânico da Acção Católica com a diocese e o seu Bispo; a assunção da missão da Igreja; sentir-se "dedicado" à própria Igreja e à globalidade da sua missão; fazer seus o caminho, as opções pastorais, a espiritualidade da Igreja diocesana:  tudo isto faz da Acção Católica não uma agregação eclesial entre as outras, mas um dom de Deus e um recurso para o incremento da comunhão eclesial" (Carta do Conselho Permanente da C.E.I. à Presidência Nacional da ACI, 12 de Março de 2002).

A Igreja tem necessidade da Acção Católica, porque tem necessidade de leigos prontos a dedicar a sua vida ao apostolado e a estabelecer, sobretudo com a Comunidade diocesana, um vínculo que dê uma marca profunda à sua vida e ao seu caminho espiritual. Tem necessidade de leigos cuja experiência manifeste, de maneira concreta e em cada dia, a grandeza e a alegria da vida cristã:  leigos que saibam ver no Baptismo a raiz da sua dignidade, na Comunidade cristã a própria família com quem partilhar a fé, e no Pastor o pai que orienta e apoia o caminho dos irmãos; leigos que não reduzam a fé a um facto privado e não hesitem em levar o fermento do Evangelho ao contexto das relações humanas e às instituições, ao território e aos novos lugares da globalização, para construir a civilização do amor.

4. Precisamente porque a Igreja tem necessidade de uma Acção Católica viva,  forte  e  bela,  apraz-me  repetir a cada um de vós:  Duc in altum! ("Faz-te ao largo!").

Duc in altum, Acção Católica! Tem a coragem do futuro. A tua história, assinalada pelo exemplo luminoso dos Santos e Beatos, brilhe ainda hoje por fidelidade à Igreja e às exigências do nosso tempo, com aquela liberdade típica de quem se deixa guiar pelo sopro do Espírito e caminha com força para os grandes ideais.

Duc in altum! Sê no mundo presença profética, promovendo aquelas dimensões da vida muitas vezes esquecidas e por isso, ainda mais urgentes, como a interioridade e o silêncio, a responsabilidade e a educação, a gratuidade e o serviço, a sobriedade e a fraternidade, a esperança no amanhã e o amor à vida. Trabalha eficazmente para que a sociedade de hoje recupere o verdadeiro sentido do homem e da sua dignidade, o valor  da  vida  e  da  família,  da  paz e da solidariedade, da justiça e da misericórdia.

Duc in altum! Tem a humilde audácia de fixar o teu olhar em Jesus para fazer partir d'Ele a tua autêntica renovação. Assim, será mais fácil para ti distinguir o que é necessário daquilo que é fruto do tempo, e viverás a desejada renovação como uma aventura do Espírito, que te tornará capaz de percorrer também os árduos caminhos do deserto e da purificação para chegar a experimentar a beleza da vida nova que Deus não cessa de dar a quantos põem n'Ele a sua confiança.

Acção Católica, não tenhas medo! Tu pertences à Igreja e estás no coração do Senhor, que não deixa de guiar os teus passos para a novidade nunca prevista e jamais ultrapassada do Evangelho.

Em tal itinerário, quantos fazeis parte desta gloriosa Associação, sabei que o Papa vos apoia e vos acompanha com a oração e, ao dirigir-vos o Seu caloroso convite a perseverar nos compromissos assumidos, do coração a todos vos abençoa.

 

 

top