The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO SANTO PADRE JOÃO PAULO II
 AOS PARTICIPANTES NO
"FORUM INTERNACIONAL" DA
PONTIFÍCIA ACADEMIA DE TEOLOGIA

Sábado, 16 de Fevereiro de 2002

 
Senhor Cardeal
Venerados Irmãos
no Episcopado e no Sacerdócio
Queridos Irmãos e Irmãs!

1. Alegro-me com este encontro, com o qual desejastes realçar a celebração do primeiro Forum Internacional da Pontifícia Academia de Teologia. Dirijo a todos a minha cordial saudação, com um especial pensamento de gratidão ao Senhor Cardeal Paul Poupard, que se fez intérprete dos vossos sentimentos e ilustrou a intenção do Forum, com o significativo tema:  "Jesus Cristo, Caminho, verdade e vida. Para uma releitura da "Dominus Iesus"".

O assunto faz parte da competência própria da vossa Academia. Nos Estatutos renovados, por mim aprovados com o Motu proprio de 28 de Janeiro de 1999, é de facto indicado como finalidade da Academia "tratar e promover os estudos teológicos e o diálogo entre as disciplinas teológicas e filosóficas" (art. II). Qualquer esforço que o ser humano realiza para progredir no conhecimento da verdade está, definitivamente, orientado para a descoberta de qualquer aspecto novo do mistério de Deus, "suma e primária verdade" (São Tomás de Aquino, Summa Theologica, I, q. 16, a. 5) e fonte de verdade:  "Qualquer verdade diz de facto o Doutor Angélico provém de Deus" (Quaestiones disputatae, De Veritate, q. 1, a. 8).

Se o ser humano pode ser definido "como aquele que procura a verdade" (Fides et ratio, 28), ele sabe que no encontro com Jesus e com a sua divina Revelação encontrou a verdade da sua existência:  "Em Jesus Cristo, que é a Verdade, a fé reconhece a última chamada que é dirigida à humanidade, para que possa ser cumprido tudo o que experimenta como desejo e nostalgia" (Ibid., 33).

2. A tarefa primária da Pontifícia Academia de Teologia é a meditação do mistério de Jesus Cristo, nosso Mestre e Senhor, plenitude de graça e de verdade (cf. Jo 1, 16). Tem origem nesta fonte de luz o mandamento do anúncio, do testemunho e do empenho no diálogo quer ecuménico, quer inter-religioso.

Na Encíclica Fides et ratio afirmei que "os caminhos para alcançar a verdade são numerosos:  contudo, dado que a verdade cristã tem um valor salvífico, cada um destes caminhos pode ser percorrido, com a condição que leve à meta final, isto é, à revelação de Jesus Cristo" (n. 38). Cultivadores e testemunhas da verdade de Cristo na Igreja e no mundo, os Académicos no seu trabalho de estudo e de investigação são guiados pela Revelação cristã, "verdadeira estrela de orientação" (ibid., 15), em função da verdade que deve ser conhecida, ao bem que se deve realizar, e à caridade que se deve viver.

3. São dois os aspectos que podem caracterizar hoje o apostolado e o serviço da verdade:  a sua dinamicidade e a sua eclesialidade. A verdade da Revelação cristã abre na história horizontes sempre novos de inteligência do mistério de Deus e do homem. Este intrínseco impulso de novidade não significa relativismo ou historicismo, mas suprema concentração da verdade, cuja compreensão requer um caminho e sobretudo um seguimento:  o de Cristo, caminho, verdade e vida. Desta forma, a teologia torna-se um itinerário em comunhão com a Verdade-Pessoa que é Jesus Cristo, numa relação de fidelidade, de amor e de doação, sob a acção do Espírito de Verdade (cf. Jo 16, 13), cuja realização não é só a de recordar as palavras de Jesus, mas a de ajudar os cristãos a compreendê-las e a vivê-las numa clareza interior cada vez maior, na história variável da humanidade.

A denominação de "Pontifícia" da vossa "Academia Teológica" significa, em segundo lugar, que o seu serviço a Cristo Verdade se caracteriza pela sua eclesialidade. De facto, a busca livre do teólogo é exercida no âmbito da fé e da comunhão da Igreja. Na Igreja, sal da terra e luz do mundo (cf. Mt 5, 13-14), a reflexão teológica desempenha a sua tarefa de responder à vontade salvífica universal de Deus, o qual deseja "que todos os homens sejam salvos e alcancem o conhecimento da verdade" (1 Tm 2, 4). A comunhão eclesial, mais do que uma limitação, é na realidade o lugar que vivifica a reflexão teológica, apoiando a sua audácia e premiando a sua profecia. Desta forma, a ciência teológica, na compreensão cada vez mais profunda da verdade revelada, torna-se um serviço a todo o povo de Deus, apoia a sua esperança e fortalece a sua comunhão.

4. A adesão a Cristo Verdade, manifestada pelos teólogos em obediência ao magistério da Igreja, é uma força poderosa que une e edifica. O teólogo católico está consciente de que o magistério não é uma realidade extrínseca à verdade e à fé, mas, ao contrário, é um elemento constitutivo da Igreja, está ao serviço da Palavra de verdade, que defende dos desvios e deformações, garantindo que o Povo de Deus viva sempre na história guiado e amparado por Cristo-Verdade. Por conseguinte, a relação entre magistério e trabalho teológico é alimentada pelo princípio da harmonia. Estando os dois ao serviço da Revelação divina, ambos redescobrem novos aspectos  e  aprofundamentos  da  verdade revelada.

No que diz respeito ao aspecto da comunhão na fé impõe-se o princípio da unidade na verdade; ao contrário, onde se trata de divergências de opiniões, é válido  o  princípio  da  unidade  na caridade.

Estes aspectos inspiradores estão presentes quer na articulação que destes ao Forum destes dias, quer na orientação dada à nova revista da Academia, que tem por título PATH, acróstico da denominação latina "Pontificia Academia Theologica". Mas "Path" também é uma denominação que, na linguagem globalizada de hoje, indica caminho, vereda, estrada. A investigação teológica é um caminho fatigante e, ao mesmo tempo, gratificante em Cristo Caminho, Verdade e Vida.

5. A mais de três séculos da sua fundação, possa a Pontifícia Academia de Teologia continuar a receber da vossa reflexão e do vosso testemunho um renovado impulso para ilustrar cristãmente o milénio há pouco iniciado.

Com estes votos, ao invocar a ajuda de Deus para os vossos trabalhos, concedo de coração a todos vós a minha Bênção.

 

 

top