The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO SANTO PADRE JOÃO PAULO II
 AOS PARTICIPANTES NO
III FORUM INTERNACIONAL DA
FUNDAÇÃO ALCIDE DE GASPERI

Sábado, 23 de Fevereiro de 2002

 


Senhores Cardeais
Venerados Irmãos
no Episcopado e no Sacerdócio
Ilustres Senhores, Gentis Senhoras!

1. Vejo com satisfação que escolhestes a Europa como Objecto de estudo do terceiro Forum Internacional da Fundação Alcide De Gasperi. O tema, em si mesmo, é muito expressivo. Saúdo cordialmente cada um de vós e agradeço, sobretudo, ao Senador Angelo Bernassola, Presidente da Fundação, as nobres palavras com que apresentou os objectivos do Congresso.

O meu ânimo, como bem sabeis, dirije-se com afecto especial para o continente europeu, no qual surge esta cidade de Roma, que foi sede do apóstolo Pedro e lugar do seu martírio. Precisamente por isso visitei os vários Países europeus e reuni duas vezes em Assembleias sinodais os seus Episcopados para debater juntos os seus problemas religiosos. Em Estrasburgo, fui também visitar as Instituições europeias, desejanto desta forma manifestar o meu apoio aos esforços em curso para a unificação do continente.

2. A Europa surgiu do encontro, nem sempre pacífico, e da fusão, lenta e muitas vezes problemática, entre a civilização greco-romana e o mundo germânico e eslavo, progressivamente convertido ao cristianismo por grandes missionários, provenientes quer do Ocidente quer do Oriente. Considerei sempre de primordial importância o contributo dado pelos povos eslavos à cultura do continente. Sem dúvida, a dolorosa ruptura religiosa entre o Ocidente, na maioria católico, e o Oriente, na maioria ortodoxo, foi um dos factores que impediram a plena integração de alguns povos eslavos na Europa, com reflexos negativos em primeiro lugar para a Igreja, que precisa de respirar "com dois pulmões": o ocidental e o oriental. Por conseguinte, empenhei-me na promoção do diálogo entre a Igreja católica e as Igrejas ortodoxas com vista à plena unidade. Nesta perspectiva, proclamei padroeiros da Europa também os santos eslavos, os Apóstolos eslavos Cirilo e Metódio, Slavorum Apostoli".

Hoje vejo com satisfação que muitos Países da Europa central pedem para poder entrar na União Europeia a fim de desempenharem nela um papel criativo. Faço votos para que os responsáveis desta União saibam satisfazer este desejo, mostrando compreensão na fase inicial no que se refere à adequação às condições económicas previstas, condições sem dúvida não leves para as economias ainda débeis dos Países do Leste, que saíram recentemente de um sistema económico diferente.

3. A minha maior preocupação pela Europa é que ela conserve e faça frutificar a sua herança cristã. Com efeito, não se pode negar que o continente baseia as suas raízes tanto no património greco-romano, como no judaico-cristão, que constituiu por muitos séculos a sua alma mais profunda. Grande parte do que a Europa produziu em âmbito jurídico, artístico, literário e filosófico tem uma marca cristã e dificilmente pode ser compreendido e avaliado se não nos colocarmos numa perspectiva cristã. Também as maneiras de pensar e de sentir, de se exprimir e de se comportar dos povos europeus sofreram profundamente a influência cristã.

Infelizmente, nos meados do passado milénio teve início, e desenvolveu-se particularmente a partir do século XVIII, um processo de secularização que pretendeu excluir Deus e o cristianismo de todas as expressões da vida humana.

O ponto de chegada deste processo foi muitas vezes o laicismo e o secularismo agnóstico e ateu, isto é, a exclusão absoluta e total de Deus e da lei moral de todos os âmbitos da vida humana.

Desta forma, a religião cristã foi relegada para os confins da vida privada de cada um. Não é significativo, deste ponto de vista, que tenha sido tirada da Carta da Europa qualquer referência explícita às religiões e, por conseguinte, também ao cristianismo? Manifestei a minha amargura por isto, que considero anti-histórico e ofensivo para os Pais da nova Europa, entre os quais tem um lugar de relevo Alcide De Gasperi, ao qual está dedicada a Fundação que vós aqui representais.

4. O "velho" continente tem necessidade de Jesus Cristo para não perder a sua alma e para não perder tudo o que o fez grande no passado e ainda hoje o impõe à admiração dos outros povos.

De facto, foi em virtude da mensagem cristã que se afirmaram nas consciências os grandes valores humanos da dignidade e da inviolabilidade da pessoa, da liberdade de consciência, da dignidade do trabalho e do trabalhador, do direito de cada um a uma vida digna e segura e, por conseguinte, a participar dos bens da terra, que Deus destinou para benefício de todos os homens. Sem dúvida, para a afirmação destes valores contribuíram também outras forças não pertencentes à Igreja, e por vezes os próprios católicos, impedidos por situações históricas negativas, reconheceram lentamente os valores que eram cristãos, mesmo se cortados, infelizmente, das suas raízes religiosas. Hoje, a Igreja volta a propor estes valores à Europa com renovado vigor, a qual corre o risco de cair no relativismo ideológico e de ceder ao niilismo moral, declarando por vezes bem o que é mal e mal o que é bem. Os meus votos são por que a União Europeia saiba tirar do património cristão que a distingue uma nova linfa, oferecendo respostas adequadas às novas perguntas que se apresentam sobretudo no campo ético.

5. A vossa Fundação deseja trabalhar "para a democracia, a paz e a cooperação internacional". Este programa está em plena sintonia com a acção da Igreja no mundo de hoje, que também se manifestou durante a minha recente peregrinação a Assis. A Europa deve empenhar-se de maneira muito particular na promoção da democracia, da paz e da cooperação internacional, devido às imensas riquezas espirituais e materiais de que dispõe.

Ao exprimir os votos por que os trabalhos do terceiro Forum da Fundação Alcide De Gaspari ofereçam um ulterior estímulo a este empenho europeu, concedo a todos uma especial Bênção apostólica.

 

© Copyright 2002 - Libreria Editrice Vaticana

 

top