The Holy See
back up
Search
riga

MENSAGEM DO PAPA JOÃO PAULO II 
ÀS IRMÃS DOS POBRES DE SANTA CATARINA DE SENA
 NO CAPÍTULO GERAL DA CONGREGAÇÃO

 

 
Caríssimas Irmãs dos Pobres!

1. Acolho-vos com alegria na ocasião do Capítulo Geral do vosso Instituto. Dirijo a todas e a cada uma de vós uma cordial saudação de boas-vindas com um especial pensamento para a Superiora-Geral e para o seu Conselho. Faço extensiva a minha saudação a toda a vossa Família religiosa, orientada para a difusão do Evangelho da caridade, especialmente entre os pobres.

Cada assembleia capitular constitui para as Ordens e Congregações um momento importante de reflexão e de relançamento na acção espiritual e missionária, porque, em certo modo, é um retorno ideal às próprias origens para se projectar ainda mais corajosamente para outras metas apostólicas.

Foi o que vós procurastes fazer, queridas Irmãs, no presente Capítulo Geral, dóceis às inspirações do Espírito Santo e atentas aos "sinais" dos tempos. A rica herança carismática, que a Beata Savina Petrilli vos deixou, representa um providencial "talento" a fazer frutificar na Igreja e para o mundo.

2. A vossa Fundadora, que o Senhor me concedeu beatificar há quinze anos, consagrou-se a Deus e aos irmãos mais necessitados, inspirando-se nos quatro grandes amores de Santa Catarina:  a Eucaristia, o Crucifixo, a Igreja e os Pobres. Sempre pronta a inclinar-se sobre as necessidades dos irmãos, não hesitou em dirigir-se, já há cem anos, ao continente americano. Seguindo a sua esteira luminosa, as suas filhas espirituais estenderam, depois, a presença da Congregação também à Ásia.

O tema do Capítulo Geral:  "Um dom a entregar, o rosto carismático da Irmã dos pobres", sublinha a urgência de continuar esta acção espiritual e missionária, sem nunca perder de vista a intuição carismática da Beata Savina Petrilli. Ser Irmãs dos pobres observava ela comporta o empenho de nunca abandonar "aqueles pobres que Deus nos deu por irmãos" (Directório, pág. 15), porque "eles devem ser-nos caros e a eles devemos dedicar, particularmente, a nossa predilecção, o nosso favor, o nosso coração, todas as nossas faculdades, o nosso trabalho" (ibid., pág. 1006). Este amor acrescentava a Beata Savina "será a nossa glória e a fonte donde surgirão sempre para o Instituto as bênçãos do céu, porque quem tem misericórdia pelo pobre, fá-lo com interesse pelo Senhor" (ibid., pág. 1007).

3. Reconhecer no rosto de cada indigente o rosto de Cristo:  eis o ensinamento que a Fundadora vos repete hoje, recordando, como fazia muitas vezes com as primeiras irmãs, que "tudo é pouco por Jesus" e "o coração humano a tudo resiste excepto à bondade". A Irmã dos pobres sabe, por dever, educar o coração para o amor, aprendendo a "sacrificar-se e a ser sacrificada sem lamentos", tendendo para o heroísmo da caridade, disponível e acolhedora para com todas as pessoas, seja qual for a pobreza que apresentem.

Unindo "a contemplação à acção", continuai, caríssimas, no vosso serviço eclesial, que nasce da oração como "a flor da raiz".

No nosso tempo, é cada vez mais necessário reafirmar o primado da escuta de Deus e da contemplação, como vós estais preocupadas em fazer no decurso dos trabalhos capitulares. Se Jesus vive em vós, será particularmente a intimidade com Ele a impedir que se produza uma ruptura entre a experiência espiritual e as obras a adaptar sempre às novas exigências dos tempos.

Para além de ir ao encontro das necessidades materiais das pessoas, não percais de vista o anúncio explícito do Evangelho, lembradas de tudo o que dizia a Fundadora:  "Nada deve dar ao próximo quem não pode dar-lhe Deus, e não é caridade dar-lhe alguma coisa em lugar do Criador".

Caras Irmãs, está diante de vós um vasto campo de acção:  seja vosso cuidado preparar-vos com uma adequada e constante formação. Acompanhe-vos e ajude-vos a Virgem Santa e protejam-vos Santa Catarina e a Beata Savina Petrilli. Asseguro-vos a minha oração, enquanto, com afecto, vos abençoo a vós e a toda a vossa Família religiosa.

Vaticano, 11 de Abril de 2003

 

 

top