The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
ÀS RELIGIOSAS FILHAS DE MARIA SANTÍSSIMA
 DO HORTO POR OCASIÃO DO CAPÍTULO GERAL

 

17 de Fevereiro de 2003

 

  
1. Sinto-me contente por lhe dirigir a minha cordial saudação, Reverenda Madre, ao Conselho geral e às Religiosas vindas a Roma para o XVII Capítulo Geral deste Instituto. Manifesto a cada uma de vós a minha proximidade espiritual e garanto-vos a minha lembrança na oração. Desejo, ainda, fazer chegar a todas as Filhas de Maria Santíssima do Horto, espalhadas pelo mundo uma palavra especial de encorajamento, convidando-as a continuar o seu testemunho de vida consagrada e a trabalhar generosamente nas suas várias actividades pastorais, escolásticas e assistenciais.

O tema que orienta as reflexões e a permuta de experiências destes dias é muito encorajador:  "Consagradas e enviadas ao serviço do Reino". Isso impele-vos, queridas Irmãs, a voltar às raízes do vosso carisma para o pôr em confronto com as exigências actuais, num mundo em contínua evolução. A inspiração original que levou o vosso Fundador, na primeira metade do século XIX, a dar início, em Chiavari, a uma instituição religiosa essencialmente orientada para o serviço da pessoa, continua hoje a oferecer-vos motivos válidos para um impulso renovado na missão educativa e caritativa.

2. Santo António Maria Gianelli viveu com coragem e paixão a sua missão ao serviço do Reino de Deus. Gostava de repetir:  "Deus, Deus, só Deus". Toda a sua actividade era animada por um ardente desejo de pertencer a Cristo. Desejava servir o Senhor no pobre, no doente, na pessoa sem instrução, como também naqueles que ainda não conheciam ou não tinham encontrado Deus na sua vida. Abria o coração ao acolhimento dos irmãos e preocupava-se com todos. Os seus ensinamentos estão bem expressos nas vossas Constituições, que traçam o estilo típico da vossa Família religiosa:  fidelidade ao carisma, vivendo em vigilante caridade evangélica, esquecendo o próprio interesse e as próprias comodidades; estar atentas às necessidades dos tempos, sentindo alegria por vos fazerdes todas para todos com um compromisso que não conheça outros limites senão a impossibilidade ou a inoportunidade (cf. n. 2).

3. Continuai, estimadas Religiosas, neste caminho, pondo Cristo no centro da vossa vida e da vossa missão. Apraz-me evidenciar aqui tudo o que foi dito numa recente Instrução da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de vida apostólica:  "É preciso voltar a partir de Cristo, porque dele partiram os primeiros discípulos na Galileia; dele, ao longo da história da Igreja, partiram homens e mulheres de todas as condições e culturas que, consagradas pelo Espírito por força da chamada, por Ele deixaram a família e a pátria e seguiram-no incondicionalmente, tornando-se disponíveis para o anúncio do Reino e para fazer bem a todos (cf. Act 10, 38)" (Recomeçar a partir de Cristo, 19 de Maio de 2002, n. 21). Fazei-vos ao largo, queridas Irmãs, no novo milénio, com a consciência de que o vosso apostolado representa uma providencial possibilidade para fazer brilhar no mundo a glória de Deus.

Na base do vosso trabalho esteja o amor que para o vosso santo Fundador constitui com razão um princípio pedagógico fundamental. Ele recomendava às suas filhas espirituais:  "Procurem em primeiro lugar amar verdadeiramente e mostrar um grande amor às crianças, que lhes estão confiadas, porque ninguém ama quem não ama; e se não são amadas por elas também não irão à escola, ou não estarão de boa vontade com elas e não aprenderão metade daquilo que aprenderiam amando as  suas  Mestras  e  vendo-se  amadas por elas".

4. A pobreza, assumida voluntariamente e com alegria, é uma condição que facilita e torna mais fecundo o vosso testemunho. A pobreza, como gostava de repetir Santo António Maria Gianelli, seja "o verdadeiro distintivo do vosso Instituto". Ao lado do amor fiel à pobreza, não falte nunca o espírito de sacrifício, na consciência quotidiana de que uma Filha de Maria "não pode estar sem a Cruz".

Sede, pois, incansáveis testemunhas de esperança. Entre as virtudes que a Filhas de Maria Santíssima do Horto devem praticar, Santo António Maria Gianelli põe em relevo a grande confiança em Deus. Viver abandonadas a Ele:  eis o que vos permitirá não vos deixardes perturbar pelos aparentes insucessos, antes vos tornará capazes de ajudar as pessoas angustiadas e desorientadas. O vosso Fundador falava assim às vossas Irmãs de então:  "Quando alguma coisa andar a correr menos bem ou até mal, não se perturbarão ou julgarão verdadeiro mal; mas humilhar-se-ão diante de Deus e confiarão que Ele saberá tirar daí algum bem".

5. Enquanto formulo para a Reverenda Madre e para as suas Irmãs capitulares os votos de um intenso e profícuo trabalho em favor de toda a Congregação, exorto-vos a todas a fazer um tesouro da rica experiência espiritual que distingue a vossa Família religiosa. O vosso olhar, queridas Filhas de Maria, permaneça fixo sobre o Fundador e sobre as vossas Irmãs que vos precederam no fiel serviço à Igreja. Convencei-vos de que, também nos momentos difíceis, a Providência Divina não deixa de vos proteger eficazmente.

A Bem-Aventurada Virgem do Horto, vossa especial protectora, vos acompanhe no caminho de santidade que empreendestes e vos ajude a colher abundantes frutos da Assembleia capitular. Asseguro-vos a minha oração e concedo de coração a cada uma de vós a Bênção Apostólica, tornando-a extensiva de bom grado a toda a vossa Família religiosa e a quantos encontrardes nas vossas actividades.

 

 

top