The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SEGUNDO GRUPO DE PRELADOS
DA CONFERÊNCIA EPISCOPAL DAS FILIPINAS
POR OCASIÃO DA VISITA
«AD LIMINA APOSTOLORUM»

Quinta-feira, 9 de Outubro de 2003

 


Eminência
Queridos Irmãos no Episcopado

1. Por ocasião da vossa visita "ad limina Apostolorum", dou-vos as calorosas boas-vindas, a vós Bispos filipinos das Províncias Eclesiásticas de Caceres, Capiz, Cebu, Jaro e Palo. Vós representais o segundo dos três grupos que realizais esta solene peregrinação até à cidade dos Apóstolos Pedro e Paulo. A minha ardente oração é para que o tempo que passais em companhia do "Sucessor de Pedro" e daqueles que o assistem no seu ministério pastoral seja uma fonte de renovados zelo e fortaleza para vós, quando regressardes às vossas respectivas Igrejas particulares. É-me particularmente grato saudar o Cardeal Vidal, e agradeço-lhe os sentimentos que me transmitiu da parte dos Bispos, do clero, dos religiosos e dos fiéis das vossas Dioceses.

Como pude dizer ao primeiro grupo de Bispos das Filipinas, os significativos acontecimentos eclesiais do segundo Conselho Plenário, realizado em 1991, e a mais recente Consulta Pastoral Nacional sobre a Renovação da Igreja tiveram efeitos positivos duradouros na vida dos católicos filipinos. O Conselho Plenário salientou a necessidade de três iniciativas pastorais fundamentais:  tornando-se Igreja dos pobres, transformando-se numa comunidade de discípulos do Senhor e comprometendo-se numa evangelização integral. Com efeito, o desafio de realizar integralmente este plano tríplice continua a infundir uma nova vida na Igreja das Filipinas e na sociedade filipina em geral. Dado que já desenvolvi o tema da Igreja dos pobres nos comentários que fiz ao primeiro grupo de Bispos, agora quero centralizar a minha atenção da segunda prioridade:  Tornar-se uma verdadeira comunidade de discípulos do Senhor.

2. A Consulta Pastoral Nacional descreve a Igreja nas Filipinas como "uma comunidade de discípulos que acreditam firmemente no Senhor Jesus e que, com alegria, vivem na harmonia e na solidariedade, uns com os outros, com a criação e com Deus" (Declaração de Visão-Missão da Igreja que está nas Filipinas). Isto traz à mente o ensinamento de Jesus, contido no Evangelho de São João, quando exprime que ser discípulo do Senhor não é uma decisão excêntrica, mas uma resposta séria e amorosa a um convite pessoal:  "Não fostes vós que me escolhestes, mas fui Eu que vos escolhi. Eu destinei-vos para irdes e dardes fruto, e para que o vosso fruto permaneça... O que vos mando, é que vos ameis uns aos outros" (Jo 15, 16-17).

A maneira em que os discípulos exprimem o seu amor é um dos numerosos temas que vós e os vossos Irmãos Bispos procuraram abordar ensinando claramente que, para se tornar um verdadeiro seguidor de Cristo, é necessária uma formação integral na fé. Com efeito, é somente através deste discipulado autêntico, fundamentado na solidariedade amorosa, que as Filipinas podem começar a resolver a preocupante dicotomia entre a fé e a vida, que aflige tantas sociedades modernas.

3. Na minha Exortação Apostólica pós-sinodal Ecclesia in Asia, recordei como os asiáticos se sentem orgulhosos dos seus valores religiosos e culturais, por exemplo, do amor pelo silêncio, a contemplação, a simplicidade e a harmonia. "Tudo isto indica uma visão espiritual inata e uma sabedoria moral típica da alma asiática" (n. 6). Esta "visão espiritual" é testemunhado de manera clarividente pelos profundos sentimentos religiosos do povo filipino e constitui um terreno fértil em que alimentar a disposição que leva todo o cristão a um discipulado mais autêntico. A vossa Casta Pastoral sobre a espiritualidade explica que um compromisso centralizado em Cristo define o vosso povo como peregrino ao longo do caminho para a sua verdadeira casa. A frequência regular da Missa dominical, a participação concreta nas actividades e nas festas paroquiais, as profundas devoções marianas e o grande número de santuários nacionais existentes no vosso País são apenas alguns exemplos da rica herança que constitui uma parte integrante da vida e da cultura da vossa Nação. Não obstante estes aspectos positivos, ainda existem determinadas contradições entre os cristãos e a sociedade filipina em geral. Estas incongruências só podem ser resolvidas, se permanecerdes plenamente abertos ao espírito de Cristo, penetrardes no mundo e o transformardes numa cultura de justiça e de paz (cf. Apostolicam actuositatem, 4).

4. O cumprimento destas nobres finalidades exige um compromisso da vossa parte, em vista de preparar os fiéis leigos a fim de que se tornem verdadeiros discípulos para o mundo. São os Pastores das Igrejas particulares que asseguram que o laicado tenha à sua disposição programas de espiritualidade e de catequese, destinados a prepará-lo para esta missão. É com prazer que observo que a Igreja nas Filipinas procura cumprir esta responsabilidade de numerosas formas. E isto é evidente não apenas nas oportunidades educativas oferecidas por um grande número de dioceses, mas também nas várias organizações laicais e nas pequenas comunidades e movimentos de fé, que estão a desenvolver-se no vosso País. Embora, à primeira vista, estas agregações possam parecer muito diferentes, na realidade "encontram... as linhas de uma vasta e profunda convergência na finalidade [comum] que as anima" (Christifideles laici, 29). Este é de modo especial o caso, quando tais agregações se encontram activamente comprometidas na vida paroquial e mantêm um relacionamento de comunicação aberta e afectiva, umas com as outras, com os seus párocos e com os Bispos. Como Cristo ensina:  "Se tiverdes amor uns para com os outros, todos conhecerão que sois meus discípulos" (Jo 13, 35).

5. Uma das principais contribuições que a Igreja pode oferecer na garantia de uma preparação sólida dos leigos consiste em assegurar que os seminários e as casas religiosas formem os futuros sacerdotes para serem discípulos dedicados à Palavra e ao Sacramento. Trata-se de um processo complexo, que começa com a selecção apropriada dos candidatos. A este propósito, recomendo que vós e os vossos prebíteros busquem activamente jovens bons, piedosos e bem equilibrados para o sacerdócio, encorajando-os a não terem medo "de lançar as redes ao largo", para uma pesca de valor inestimável (cf. Novo millennio ineunte, 1).

Assim que o candidato for seleccionado, tem início o processo de preparação do mesmo, a fim de que se torne um sacerdote bom e santo. Isto exige que "a formação espiritual e a preparação doutrinal dos alunos sejam harmoniosamente conjugadas" (Código de Direito Canónino, cân. 244) e superintendidas por formadores bem preparados. Aqui, podemos falar dos diversos tipos de formação:  formação humana, que ajuda o candidato a viver e a interiorizar as virtudes sacerdotais, especialmente as da simplicidade, castidade, prudência, paciência e obediência; formação intelectual, que põe em evidência um estudo aprofundado da filosofia e da teologia, sempre fiel aos ensinamentos do Magistério; formação pastoral, que torna o candidato capaz de aplicar os princípios teológicos à práxis pastoral; e formação espiritual, que salienta a necessidade essencial da celebração regular dos sacramentos, de forma especial do Sacramento da penitência, acompanhada das orações particulares e devocionais, e da visita frequente do director espiritual (cf. Pastores dabo vobis, 43-59; cf. também Código de Direito Canónino, cân. 246). Qualquer curso de formação sacerdotal que oferecer estes elementos, verdadeiramente formará ministros que se hão-de comprometer alegremente no "esforço de fidelidade ao Senhor e de incansável serviço ao seu rebanho" (Pastores dabo vobis,, 82).

6. O Conselho Pastoral Nacional abordou de maneira exaustiva a necessidade de ajudar e assistir os presbíteros no seu ministério e resolveu "buscar formas criativas de formação permanente" para o clero (Proceedings and Addresses of the NPCCR, Janeiro de 2001, pág. 59). Isto pode ser comparado com a renovação contínua de "espírito e mente", sobre a qual São Paulo escreve na sua carta aos Efésios (cf. 4, 23-24). Como no caso da formação dos seminaristas, também a formação presbiteral exige uma abordagem "harmoniosamente conjugada" que, em todas as épocas, promova as virtudes sacerdotais da caridade, da oração, da castidade e da celebração fiel da Liturgia, práticas estas que, por vezes, são subestimadas ou até mesmo rejeitadas pela cultura moderna e pelos seus meios de comunicação.

Os clérigos dos dias de hoje devem ter o cuidado de não adoptar uma visão secular do sacerdócio como "profissão", como "carreira" ou como forma de ganha-pão. Pelo contrário, o clero há-de considerar o sacerdócio como uma vocação ao serviço altruísta e amoroso, abraçando de todo o coração o "precioso dom do celibato" e tudo aquilo que ele comporta. Nesta altura, desejo frisar o facto de que o celibato há-de ser considerado como uma parte integrante da vida exterior e interior do sacerdote, e não apenas como um antigo ideal que deve ser respeitado (cf. Presbyterorum ordinis, 16). Infelizmente, o estilo de vida alguns clérigos tem sido um sinal contrário ao espírito dos conselhos evangélicos, que deveriam constituir uma parte da espiritualidade de cada presbítero. O comportamento escandaloso de poucos tem minado a credibilidade de muitos. Quero que saibais que estou consciente da sensibilidade com que tendes procurado abordar esta questão, enquanto vos encorajo a não desanimar. O verdadeiro discipulado exige a caridade, a compaixão e, às vezes, uma disciplina rigorosa, em ordem ao serviço do bem comum. Sede sempre justos e misericordiosos.

7. Queridos Irmãos, enquanto vos preparais para voltar regressar à vossa Pátria, despeço-me de vós com estas reflexões, persuadido de que continuareis a orientar o vosso povo de maneira eficaz na sua peregrinação de verdadeiro discipulado, por toda a sua vida. Encorajai-vos com o facto de que não estais a percorrer sozinhos este caminho, uma vez que a nossa amada Mãe Maria, a Estrela Matutina que ilumina a nossa vida e dissipa a escuridão da noite, vos acompanha, introduzindo-vos, bem como os vossos fiéis, numa nova aurora (cf. Carta pastoral sobre a Espiritualidade filipina). Como penhor de alegria e de paz no seu Filho, o Santo Niño, concedo-vos a todos a minha Bênção apostólica.

 

 

 

top