The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
 AO SENHOR GILTON BAZILIO CHIWAULA
 NOVO EMBAIXADOR DO MALAVI
 JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
 DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS*

16 de Dezembro de 2004

 

Senhor Embaixador

É-me grato dar-lhe as boas-vindas ao Vaticano e aceitar as Cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República do Malavi junto da Santa Sé. Gostaria de expressar a minha gratidão pelas saudações que Vossa Excelência me transmite da parte do seu Presidente, Sua Ex.cia o Dr. Bingu wa Mutharika. A sua presença aqui traz-me ao pensamento a visita que realizei ao Malavi, no ano de 1989, quando fui acolhido com grande cordialidade. Pedir-lhe-ia que me transmitisse as minhas sinceras saudações a Sua Excelência, assegurando-lhe as minhas preces constantes pela paz e pelo bem-estar da sua Nação.

A população do seu continente tem muito a oferecer ao resto do mundo, naquilo que se refere ao respeito pela família. A este propósito, gostaria de encorajá-la a continuar a promover a estabilidade da vida familiar como ambiente apropriado onde educar os filhos, edificando assim os sólidos fundamentos para o futuro da sociedade. Em particular, encorajo o seu Governo a resistir a quaisquer tentativas de agências externas a impor programas de assistência económica vinculados à promoção da esterilização e da contracepção. Estas campanhas não só constituem "afrontas contra a dignidade da pessoa e da família" (Compêndio da Doutrina Social da Igreja, 234), mas também debilitam o crescimento natural e o progresso das nações em geral. Por mais sérios que sejam os problemas sociais e médicos que o seu país e continente estão a enfrentar, o bem do seu povo exige a busca de um autêntico desenvolvimento humano, que corresponda não apenas às suas necessidades materiais, mas inclusivamente às suas aspirações culturais, morais e espirituais. "Um desenvolvimento somente económico não está em condições de libertar o homem; pelo contrário, acaba até por o escravizar mais" (Carta Encíclica Sollicitudo rei socialis46).

A difusão rápida e alarmante da sida exige renovados esforços da parte da comunidade internacional e do Governo do Malavi, em ordem a encontrar modos aceitáveis de combater a enfermidade e de oferecer um cuidado apropriado aos doentes e às suas famílias. As autoridades públicas e as comunidades religiosas precisam de trabalhar em conjunto para promover a fidelidade no seio do matrimónio e a abstinência fora do casamento, como a salvaguarda mais eficaz contra a infecção. Dever-se-iam levar a cabo todos os esforços para educar as pessoas acerca da sida, em vista de impedir que recorram a práticas supersticiosas e tradicionais que possam levar a uma ulterior difusão do vírus. Estou-lhe profundamente grato por ter manifestado o seu apreço pela contribuição da Igreja à assistência sanitária no seu país, e garanto o apoio constante de todas as instituições católicas e do pessoal médico envolvido neste importante trabalho.

Vossa Excelência falou sobre o papel desempenhado pelos Bispos católicos na transição do seu país rumo à democracia e agradeço-lhe as amáveis palavras com que desejou descrever a Igreja como "consciência" da nação malaviana. A Igreja Católica aprecia a oportunidade de cooperar com o Governo, educando e informando os fiéis, "particularmente as pessoas que participam na vida política, de tal maneira que as suas acções possam servir sempre como a promoção integral da pessoa humana e do bem comum" (Congregação para a Doutrina da Fé, Nota doutrinal sobre algumas questões relativas à participação dos católicos na vida política, n. 6). Efectivamente, ela tem o dever de agir deste modo, enquanto reconhece, ao mesmo tempo, a autonomia e a independência da comunidade política no campo que lhe é próprio (cf. Compêndio da Doutrina Social da Igreja, 424).

A pobreza extrema que aflige uma boa parte da população do Malavi exige uma acção urgente da parte do resto do mundo. Estou persuadido de que o Governo se esforçará por fazer tudo o que está ao seu alcance para oferecer um apoio financeiro adequado a todos os programas humanitários e educativos. A este propósito, há que realizar todos os esforços em vista de debelar a corrupção e, assim, alcançar a máxima transparência e responsabilidade na promoção da ajuda internacional. Através das suas instituições no campo do ensino e das suas agências caritativas, a Igreja continua decidida a oferecer toda a assistência que pode, de tal maneira que os cidadãos do seu país consigam viver com a dignidade humana que lhes é própria.

Ao oferecer-lhe os meus melhores votos pelo bom êxito da sua missão, gostaria de assegurar-lhe que os vários Departamentos da Cúria Romana estão prontos a assisti-lo e ajudá-lo no cumprimento dos seus deveres. Sobre Vossa Excelência e todo o povo do Malavi, invoco cordialmente as abundantes bênçãos de Deus.


*L'Osservatore Romano 2005 n. 1 pp. 5, 6.

© Copyright 2004 - Libreria Editrice Vaticana

 

top