The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AO SENHOR RAUL ROA KOURÍ
NOVO EMBAIXADOR DE CUBA
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS*

8 de Janeiro de 2005

 

Senhor Embaixador

1. Apraz-me dar-lhe as boas-vindas, por ocasião da apresentação das Cartas Credenciais que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República de Cuba junto da Santa Sé. Agradeço as suas amáveis palavras, assim como as saudações da parte do Dr. Fidel Castro Ruz, Presidente do Conselho de Estado e de Governo da República, a quem lhe peço que expresse os meus desejos pela sua saúde, assim como os bons votos pela prosperidade da Santíssima Virgem, venerada no seu país com o bonito nome de Nossa Senhora da Caridade do Cobre, para que sejam incrementados os sentimentos de entendimento mútuo e de fraternidade genuína, permitindo que a Pátria seja realmente casa e obra de todos.

2. Ao mesmo tempo, posso manifestar-lhe o interesse com que acompanho o compromisso das autoridades cubanas, em vista de manter e de desenvolver as finalidades alcançadas com esforço no campo da assistência à saúde, da educação nos seus vários níveis e da cultura nas suas diferentes expressões. A Santa Sé considera que, assegurando estas condições da existência humana, se instauram alguns dos pilares do edifício da paz, que não é apenas a ausência da guerra, mas poder desfrutar da promoção humana integral, na saúde e no crescimento harmónico do corpo e do espírito, de todos os membros da sociedade.

De igual modo, a Santa Sé deseja vivamente que se possam ultrapassar quanto antes os obstáculos que impedem a livre comunicação e o intercâmbio entre a Nação cubana e uma parte da comunidade internacional, garantindo assim, mediante um diálogo respeitoso e aberto com todos, as condições necessárias para um desenvolvimento autêntico.

3. Por sua vez, Cuba distingue-se por um espírito de solidariedade, posto em evidência através do envio de pessoas e de recursos materiais, diante de necessidades básicas de várias populações, por ocasião de calamidades naturais, conflitos ou pobreza. A Doutrina Social da Igreja desenvolveu-se muito nestes últimos anos, precisamente para iluminar as situações que requerem esta dimensão solidária, a partir da justiça e da verdade. A este propósito, a Igreja que está em Cuba, com a sua presença evangelizadora e com espírito de serviço sincero e efectivo em prol do povo cubano, esforça-se em vista de ressaltar este magistério social não só com palavras, mas também com os seus compromissos e as suas realizações concretas. O conjunto de valores e de propostas que integram a Doutrina e a subsequente acção social da Igreja fazem parte da sua missão evangelizadora e, por conseguinte, da sua própria identidade.

Para que a acção da Igreja no meio do povo cubano chegue a ser mais eficaz em ordem à promoção do bem comum, é oportuno que, num ambiente de liberdade religiosa autêntica (cf. Dignitatis humanae, 13), possa conservar e incrementar os vínculos de solidariedade já existentes com outras Igrejas irmãs, que não hesitem em apoiar generosamente, de muitas maneiras diferentes e, em particular, pondo à disposição sacerdotes, religiosos e religiosas, que favoreçam a obra da Igreja Católica peregrina em Cuba, cujos membros constituem uma parte do povo cubano, vivendo unidos em comunhão e sintonia com a Sé Apostólica.

4. Na realidade, em toda a sociedade pluralista a Igreja apresenta as suas orientações e propostas, que podem levar a diferentes pontos de vista entre quem compartilha a fé e quem não a professa. Neste sentido, as divergências não devem produzir qualquer forma de conflitualidade social, mas sim favorecer um diálogo construtivo e mais vasto.

A este propósito, há temas a respeito dos quais a Igreja que está em Cuba deseja iluminar a realidade social, como por exemplo a vasta problemática suscitada pela promoção da dignidade humana; a consideração da realidade familiar e a educação das novas gerações, numa cultura da paz, da vida e da esperança; a complicada relação entre a economia e os valores do espírito; e a atenção global da pessoa humana, aspectos estes em que é oportuno um diálogo com todos os grupos que formam o povo cubano.

5. Senhor Embaixador, no momento em que Vossa Excelência dá início às suas funções na chefia desta Missão diplomática, desejo confirmar-lhe a boa disposição da Santa Sé e da Igreja que está em Cuba, na sua vontade de perseverar no serviço aos homens e às mulheres que vivem no seu país, assim como superar quaisquer diferenças ao longo do caminho de um diálogo construtivo.

Renovo a minha saudação às Autoridades cubanas e invoco sobre Vossa Excelência, a sua família e os seus colaboradores, assim como sobre toda a Nação cubana, que recordo sempre com afecto, a ajuda de Deus e a abundância das suas bênçãos.


*L'Osservatore Romano 2005 n. 3 p. 5.

© Copyright 2005 - Libreria Editrice Vaticana

top