The Holy See
back up
Search
riga

PEREGRINAÇÃO JUBILAR NA TERRA SANTA

HOMILIA DE JOÃO PAULO II
NA CONCELEBRAÇÃO DA
EUCARISTIA NO CENÁCULO

Jerusalém, 23 de Março de 2000

1. "Isto é o meu Corpo".

Reunidos no Cenáculo, escutámos a narração evangélica da Última Ceia. Escutámos as palavras que emergem das profundidades do mistério da encarnação do Filho de Deus. Jesus toma em suas mãos o pão, benze-o e parte-o, depois dá-o aos seus discípulos, dizendo: "Isto é o meu Corpo". A aliança de Deus com o seu povo está para culminar no sacrifício do seu Filho, o Verbo Eterno que se fez carne. As antigas profecias estão para se cumprir: "Não quiseste sacrifício nem oblação, mas preparaste-Me um corpo... Eis que venho, para fazer, ó Deus, a Tua vontade" (Hb 10, 5-7). Na encarnação, o Filho de Deus, consubstancial ao Pai, tornou-se homem e recebeu da Virgem Maria um corpo. Agora, na noite antes da sua morte, diz aos seus discípulos: "Isto é o meu Corpo, oferecido em sacrifício por vós".

É com profunda emoção que escutamos, mais uma vez, as palavras pronunciadas aqui, no Cenáculo, há dois mil anos. A partir de então, elas foram repetidas, de geração em geração, por todos os que participam no sacerdócio de Cristo mediante o Sacramento da Ordem sagrada. Desse modo, o próprio Cristo repete constantemente estas palavras, através da voz dos seus sacerdotes, em toda a parte do mundo.

2. "Este é o cálice do meu Sangue, para a nova e eterna aliança; derramado por vós e por todos em remissão dos pecados. Fazei isto em Minha memória".

Obedecendo ao mandato de Cristo, a Igreja repete estas palavras todos os dias na celebração da Eucaristia. Palavras que emergem das profundidades do mistério da Redenção. Na celebração da ceia pascal, na Cenáculo, Jesus tomou o cálice cheio de vinho, benzeu-o e deu-o aos seus discípulos. Isto fazia parte do rito pascal do Antigo Testamento. Contudo, Cristo, o Sacerdote da nova e eterna Aliança, usou estas palavras para proclamar o mistério salvífico da sua Paixão e da sua Morte. Sob as espécies do pão e do vinho, instituiu os sinais sacramentais do Sacrifício do seu Corpo e do seu Sangue.

"Com a vossa cruz e a vossa ressurreição salvai-nos, ó Salvador do mundo". Em cada Santa Missa, proclamamos este "mistério da fé", que durante dois mil anos alimentou e sustentou a Igreja, enquanto realiza a sua peregrinação entre as perseguições do mundo e as consolações de Deus, proclamando a cruz e a morte do Senhor até que Ele venha (cf. Lumen gentium, 8). Num certo sentido, Pedro e os Apóstolos, nas pessoas dos seus Sucessores, retornaram hoje ao Cenáculo para professar a fé perene da Igreja: "Cristo morreu, Cristo ressuscitou, Cristo há-de vir".

3. Com efeito, a primeira leitura da Liturgia de hoje recorda-nos a vida da primeira comunidade cristã. Os discípulos "eram perseverantes em ouvir o ensinamento dos Apóstolos, na comunhão fraterna, no partir do pão e nas orações" (Act 2, 42).

Fractio panis. A Eucaristia é tanto um banquete de comunhão na nova e eterna Aliança, quanto o sacrifício que torna presente o poder salvífico da Cruz. Desde o início o mistério eucarístico esteve sempre unido ao ensinamento e seguimento dos Apóstolos e à proclamação da Palavra de Deus, anunciada antes pelos Profetas e agora, uma vez por todas, em Cristo Jesus (cf. Hb 1, 1-2). Em toda a parte onde são pronunciadas as palavras "Isto é o meu Corpo" e invocado o Espírito Santo, a Igreja é revigorada na fé dos Apóstolos e na unidade que tem a origem e o vínculo no Espírito Santo.

4. São Paulo, o Apóstolo dos gentios, compreendeu claramente que a Eucaristia, enquanto partilha do Corpo e do Sangue de Cristo, é também um mistério de comunhão espiritual na Igreja. "Nós, embora muitos, somos um só corpo, pois participamos todos desse único pão" (1 Cor 10, 17). Na Eucaristia, Cristo, o Bom Pastor que deu a sua vida pelo rebanho, continua presente na sua Igreja. O que é a Eucaristia senão a presença sacramental de Cristo em todos aqueles que compartilham o único pão e o único cálice? Esta presença é a maior riqueza da Igreja.

Mediante a Eucaristia, Cristo edifica a Igreja. As mãos que partiram o pão para os discípulos durante a Última Ceia haveriam de estender-se na cruz, para reunir todo o povo à volta d'Ele no Reino eterno do Pai. Através da celebração da Eucaristia, Ele jamais cessa de levar homens e mulheres a serem membros do seu Corpo.

5. "Cristo morreu, Cristo ressuscitou, Cristo há-de vir".

Este é o "mistério da fé" que proclamamos em toda a celebração eucarística. Jesus Cristo, o Sacerdote da nova e eterna Aliança, remiu o mundo com o próprio sangue. Ressuscitado dos mortos, foi preparar um lugar para nós na casa do Pai. No Espírito que nos tornou filhos amados de Deus, na unidade do Corpo de Cristo, esperamos o seu retorno com jubilosa esperança.

Este ano do Grande Jubileu é uma oportunidade especial para os sacerdotes crescerem na consideração do mistério que celebram sobre o altar. Por este motivo, desejo assinar a Carta aos Sacerdotes para a Quinta-Feira Santa deste ano aqui, no Cenáculo, onde foi instituído o único sacerdócio de Jesus Cristo, que todos nós compartilhamos.

Ao celebrarmos esta Eucaristia no Cenáculo, em Jerusalém, estamos unidos à Igreja de todos os tempos e lugares. Unidos à Cabeça, estamos em comunhão com Pedro e com os Apóstolos e com os seus Sucessores no decurso dos séculos. Em união com Maria, com os Santos, com os Mártires e com todos os baptizados que viveram na graça do Espírito Santo, dizemos com força: Maranatha! "Vinde, Senhor Jesus!" (cf. Ap 22, 20. Conduzi-nos, e todos aqueles que escolhestes, à plenitude da graça no vosso Reino eterno!

Amém.

© Copyright 2000 - Libreria Editrice Vaticana

 

top