The Holy See
back up
Search
riga

CARTA APOSTÓLICA
AMBULATE IN DILECTIONE
  DO PAPA PAULO VI
PARA PERPÉTUA MEMÓRIA

 

 

 «Caminhai no amor, como Cristo nos amou». Esta exortação do Apóstolo das gentes (Ef. 5,2) refere-se a nós que nos chamamos cristãos, em virtude do nome do Salvador; e diz-nos respeito, especialmente nestes tempos, que impelem com maior intensidade a dilatar os horizontes da caridade; isto é, o nosso coração, pela graça de Deus, arde em desejos de trabalhar com toda a espécie de recursos para que consigam a unidade aqueles que foram chamados a viver sempre nela, por terem sido incorporados a Cristo. Nós mesmos, que por disposição da divina Providência ocupamos a cadeira de S. Pedro, conhecendo plenamente este mandato do Senhor, muitas vezes manifestámos o firme propósito de aproveitar todas as ocasiões úteis e oportunas para satisfazer esta vontade do Redentor. Meditamos nos lutuosos acontecimentos que, depois de não poucas dissensões, originaram em 1504 uma grave tensão entre a Igreja de Roma e a de Constantinopla. Não sem razão, o Nosso predecessor S. Gregório VII escreveu posteriormente: «Se antes muito havia conseguido a concórdia, muito também prejudicou depois o que esfriou a caridade em ambas as partes» (1). Chegou-se ao ponto de os legados pontifícios pronunciarem a sentença de excomunhão contra Miguel Cerulário, patriarca de Constantinopla, e contra dois eclesiásticos, procedendo este e o seu Sínodo de igual modo contra aqueles. Agora, porém, tendo mudado as circunstâncias e também os corações, sentimos uma grande alegria, porque o Nosso Venerável Irmão Atenágoras I, patriarca de Constantinopla, e o seu Sínodo, participam no nosso desejo de nos unirmos mùtuamente em caridade, «esse vínculo doce e salutar dos corações» (2). Por isso, desejando dar mais um passo no caminho do amor fraterno, pelo qual cheguemos à perfeita unidade, e destruir tudo quanto a ele faça oposição e obstáculo, afirmamos perante os Bispos reunidos no Concílio Vaticano II que lamentamos as palavras pronunciadas e os factos acontecidos naquele tempo, que não podem aprovar-se. Além disso, queremos arrancar da recordação da Igreja, e apagar aquela sentença de excomunhão, e, enterrada e anulada, relegá-la ao esquecimento.

Alegramo-Nos de poder cumprir este dever de caridade, aqui em Roma, junto ao túmulo do apóstolo Pedro, no mesmo dia que em Constantinopla, chamada a nova Roma, outro tanto se cumpre; dia em que a Igreja ocidental e oriental celebram piedosamente Santo Ambrósio, Bispo e Doutor comum. Deus clementíssimo, autor da paz, cumule este mútuo desejo de boa vontade e conceda que este público testemunho de fraternidade cristã seja para sua glória e para bem das almas.

Dado em Roma, em S. Pedro, sob o anel do Pescador, no dia 7 de Dezembro, festa de S. Ambrósio, Bispo, Confessor e Doutor da Igreja, do ano de 1965, terceiro do Nosso Pontificado(3).

PAULO VI, PAPA


Notas

1 Carta ao Imperador Miguel de Constantinopla, Reg. I, 18: ed. E. Gaspar, p. 30.

2. Cfr. S. Agostinho, Serm. 350, 3: PL 39, 1534.

3. AAS 58 (1988), p. 40-41.

 

 

top