The Holy See
back up
Search
riga

SANTA MISSA NA NOITE DE NATAL
PARA OS REPRESENTANTES DAS NAÇÕES

HOMILIA DO PAPA PAULO VI

Capela Sistina
25 de Dezembro de 1971

 

Amadíssimos filhos: o Senhor encha os vossos corações com a paz e as alegrias santas do Natal!

Aos dilectos filhos do Brasil e mais fiéis de língua portuguesa, que nos acompanham neste momento, saúde, paz e graça, em Cristo, nosso Salvador!

Esta é uma hora de intensa meditação. A singularidade da cerimónia (a hora nocturna, o objecto da celebração — o nascimento do Salvador —, as incidências que esta festividade tem nos costumes familiares e sociais...) recorda-no-lo insistentemente. A vigília, neste momento, impõe-se e requer a atenção de todos nós. A obscuridade da noite torna-se luz para o espírito.

Em que meditamos? Meditamos no nascimento de Jesus Cristo no mundo, que se verificou há 1971 anos, em Belém da Judeia, conhecida como a cidade de David, nas circunstâncias que todos nós bem conhecemos. Temos diante dos olhos da imaginação o quadro do acontecimento. Ele reflecte-se, renova-se, como uma imagem num espelho, nas nossas almas; e, com misterioso realismo, de forma mística e sacramental, daqui a poucos instantes, sobre este altar. Cristo estará aqui connosco. Uma atracção especial detém a nossa atenção, convidando-nos a contemplar.

Aqui, a nossa atenção pode dirigir-se para dois caminhos:

Um é o que reevoca a cena histórica e sensível, descrita pelo Evangelho de S. Lucas (o qual, com muita probabilidade, a ouviu contar pela própria Maria, a Mãe, a protagonista do facto comemorado); é a cena do presépio, a cena idílica do ocasional alojamento miserável, escolhido pelos dois peregrinos, Maria e José, para o iminente acontecimento: um nascimento. Tudo isto tem interesse para nós: a noite, o frio, a pobreza e a solidão; e, também, o céu que se abre, a incomparável mensagem angélica e a chegada dos pastores. A fantasia reconstrói os particulares; a paisagem arcádica, em que decorre uma história encantadora, parece-nos familiar. Ao contemplá-la, todos nos tornamos crianças e vivemos um momento delicioso.

A nossa atenção, no entanto, sente-se atraída por outra via de reflexão: a profética. Quem é Aquele que nasceu? O pregão ressoa, inconfundível, na mesma noite: «... hoje nasceu-vos um Salvador, que é Cristo Senhor». E, imediatamente, o acontecimento se reveste de uma índole maravilhosa: a realização de um objectivo. O que temos diante de nós não é apenas um facto, embora seja muito grandioso e comovedor, isto é, a entrada de um novo homem no mundo (cfr. Jo 16, 21); mas temos uma história inteira, um desígnio que atravessa os séculos, engloba eventos diversos e distantes, felizes e desditosos, que descrevem a formação de um Povo e, sobretudo, a formação, dentro do mesmo, de uma consciência característica e única — de uma eleição, de uma vocação, de uma promessa, de um destino, de um homem singular e soberano, de um Rei e de um Salvador: é a consciência messiânica.

Prestemos a maior atenção a este aspecto do Natal. Constitui um ponto de chegada, que patenteia e atesta uma linha precedente, um pensamento divino, um mistério operante na sucessão dos tempos e uma esperança indefinida e grandiosa, conservada por uma pequena parcela do género humano, mas uma esperança que dá um sentido à marcha inconsciente de todos os povos (cfr. Is 55, 5). O Natal de Cristo determina, no quadrante dos séculos, o momento decisivo da realização deste plano divino, que domina serenamente a tumultuosa torrente da história humana; indica a «plenitude dos tempos » de que fala S. Paulo (cfr. Gál 4, 4; Ef 1, 10) e onde têm convergência os destinos humanos; a longínqua profecia de Isaías torna-se realidade: « Eis que um menino nasceu para nós, um filho nos foi dado, que tem a soberania sobre os Seus ombros, o qual se chamará Conselheiro admirável, Deus forte, Pai eterno. Príncipe da Paz. O Seu império será grande e a Sua paz não terá fim sobre o trono de David e sobre o seu reino. Ele restabelecê-lo-á e mantê-lo-á pelo direito da justiça, desde agora e para sempre. Fará isto o zelo do Senhor dos exércitos » (Is 9, 6-7).

Sim, sobre este menino, que é Filho de Deus e filho de Maria, nascido sob o regime da lei mosaica (cfr. Gál 4, 4), funda-se toda a tradição transcendente, de que o Povo de Israel era portador; e, n'Ele, regenera-se, transforma-se e difunde-se pelo mundo. Este Menino Jesus de Belém é o ponto central da história humana; n'Ele concentram-se todos os caminhos humanos, que acabam por chegar à linha recta da eleição dos filhos de Abraão, o qual viu de longe, na noite dos séculos, este futuro ponto luminoso, e, como o próprio Cristo nos confidenciou: « viu-o e rejubilou » (Jo 8, 56).

E o prodígio continua. Precisamente como sucede com os raios que se fundem num ponto focal e, depois, dão origem a um novo feixe de luz, também a história religiosa da humanidade, ou seja, a história que dá unidade, sentido e valor às gerações que se sucedem, se agitam e marcham cabisbaixas sobre a face da terra —, tem a sua lente em Cristo, absorvendo toda a história passada e iluminando a futura, até ao fim dos tempos (cfr. Mt 28, 20).

Esta maneira de encarar o Natal, que é a verdadeira, destina-se especialmente a nós — a vós, diplomatas, Representantes dos Povos, aqui reunidos esta noite para celebrar o mistério do Natal —: é um convite geral a reflectir sobre os destinos da humanidade. Eles encontram-se intimamente ligados com o humilíssimo berço em que está reclinado o Verbo de Deus feito carne; mais ainda: esses destinos, para os quais vós trabalhais, a título altamente qualificado, dependem d'Ele. Com efeito, aonde chega aquela irradiação cristã de que falámos, e que se chama Evangelho, também chega a luz, a unidade, o protótipo do homem — não já cabisbaixo, mas sim na sua verdadeira estatura —, chega a dignidade da sua pessoa, a paz e a salvação.

Senhores, amigos e irmãos, que buscais e procurais descobrir o Cristo: prestemos atenção a este momento singular! É provável que dos corações brotem dois sentimentos: um, de desconfiança e temor, diante do novo Rei, que ainda hoje nasce no mundo. Este Rei é uma potência. Que mais temem os poderosos deste mundo, do que uma nova potência? Além disso, se este Jesus é uma potência e declara que o Seu reino não é deste mundo, mas pertence a uma esfera transcendente, talvez hoje O temamos e rejeitemos ainda mais, dado que somos ciosos da nossa autonomia soberana, agnóstica, laicista e ateia, que não admite um Reino de Deus. O outro sentimento, pelo contrário, é de confiança. Efectivamente, a potência, que é Cristo, não é toda para nós, para nossa vantagem, para a nossa salvação e por nosso amor? — Não, « non eripit mortalia qui regna dat coelestia — não nos arrebata os nossos reinos temporais Aquele que veio para nos oferecer o Seu Reino celeste » (Hino da Epifania). Ele veio para nós, não contra nós. Não é um émulo, nem um inimigo; é um guia para o nosso caminho, é um amigo. E é-o para todos, de tal modo que cada um pode dizer: é para mim.

É certo que a Sua vinda entre nós pode provocar um drama, ou melhor, uma luta: em favor ou contra Cristo! Enfim, a nossa história humana desenrola-se à Sua volta; o Evangelho é o campo do encontro ou do choque (cfr. Lc 2, 34).

Esta noite, porém, neste lugar e neste encontro, a escolha tor-na-se fácil, suave e susceptível de ser generosa; cada um pode dizer, com o coração a exultar: Ele veio para mim! (cfr. Gál 2, 20; Ef 5, 2; Jo 3, 16; 15, 9;...).

Aos caríssimos filhos da América de língua castelhana, desejamos, de todo o coração, feliz Natal e formulamos votos ardentes para que Jesus Cristo, ao vir às suas almas, nelas faça brotar uma nova luz divina e renovados sentimentos de fé, amor, alegria e esperança.

E muito Boas-Festas a todos os brasileiros, telespectadores e ouvintes de língua portuguesa: que a alegria desta Festa, assente na esperança e no amor do Natal de Jesus, perdure em vossas almas, no Novo Ano e sempre!

 

top