The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA PIO XII
 AO SENHOR MAURÍCIO NABUCO
NOVO EMBAIXADOR DO BRASIL JUNTO
 DA SANTA SÉ POR OCASIÃO DA APRESENTAÇÃO
DAS CARTAS CREDENCIAIS (*)

Quarta-feira, 22 de Novembro de 1944

 

Senhor Embaixador

As palavras que Vossa Excelência acaba de dirigir Nos ao entregar-Nos as credenciais com que o Senhor Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil o acredita junto de Nós como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário, manifestam um tão profundo sentimento do elevado ofício a Vossa Excelência confiado e uma tão segura intuição das necessidades e angústias dêste tormentoso tempo que aumentam em Nós a confiança de encontrarmos em Vossa Excelência, de mais a mais unido já a esta Sé Apostólica por gloriosas memórias de família, um ardente fautor das relações felizmente existentes entre a Igreja e o Estado na sua nobre Nação.

Se Nós hoje, desandando com o pensamento o decénio decorrido desde a Nossa inolvidável viagem em Terras de Santa Cruz e na sua explêndida Capital, atentamos nas profundas transformações que êste breve lapso de tempo imprimiu em tôda a humanidade, compreendemos perfeitamente como também o povo brasileiro, — tão querido e tão dentro do Nosso coração, — se virá a encontrar ao fim desta imane guerra diante de problemas e encargos que hão de exigir das energias materiais e espirituais da Nação um esfôrço como nunca teve de fazer.

Ora nada pode favorecer nem promover de maneira mais ampla e eficaz a preparação do povo brasileiro para tão alto fim, do que as energias e os frutos que a tôdas as classes do povo oferecem as incomensuráveis fôrças morais contidas na doutrina de Cristo.

Ao Brasil, que é uma das principais e mais importantes nações da América Latina, abrem-se aqui horizontes cuja amplidão, rica das mais vastas possibilidades, convida aos seus melhores filhos e filhas a grandes e generosas resoluções.

O fiel povo brasileiro tem viva consciência e nobre ufaniado património espiritual que desde os primeiros tempos do descobrimento recebeu, qual preciosa herança, da doutrina de Cristo e da sua união com a Igreja Católica Romana.

Ele sente-se profundamente apegado a estas suas tradições religiosas e ao seu hereditário vínculo com os demais povos da civilização latina, e sabe que a parte melhor das suas qualidades características e dos seus particulares sentimentos se nutriu e se nutre da seiva haurida destas raízes.

Ele sabe bem quão poderosamente tem contribuído para a conservação e defesa dêste seu carácter próprio e peculiar o trabalho indefesso, tanto do seu benemérito clero secular quanto dos membros das Ordens e Congregações Religiosas no campo do ministério espiritual e da educação.

Nós, Senhor Embaixador, alimentamos a firme confiança de que as relações amigáveis entre a Santa Sé e o Brasil hão de concorrer para que a providencial missão educadora e social da Igreja em meio do grande povo brasileiro se possa desenvolver em medida cada vez mais ampla e fecunda.

Com êste augúrio Nós rogamos-lhe que faça chegar a Sua Excelência o Senhor Presidente da República a expressão da Nossa sempre viva lembrança e dos Nossos férvidos votos.

Emquanto invocamos sôbre a sua Pátria, por Nós tão amada, a protecção do Omnipotente nêste agitado presente e no limiar de um futuro que desejamos e imploramos rico de prosperidade e bem-estar, damos a todo o dilecto povo brasileiro e ao seu Govêrno, e de modo especial a Vossa Excelência com tôda a efusão do Nosso coração paterno a implorada Bênção Apostólica.


(*) Discorsi e Radiomessaggi di Sua Santità Pio XII, vol. VI, pág. 205-206.

AAS 36 (1944), p.330-331.

L’Osservatore Romano 23.11.1944, p.1.

 

top