The Holy See
back up
Search
riga

RADIOMENSAGEM DO SANTO PADRE PIO XII

 

ECCO ALFINE TERMINATA(*)

FIM DA GUERRA NA EUROPA

 

A todo o mundo

1. Finalmente terminou esta terrível guerra que amarrou a Europa com os laços do mais horrível e tremendo sofrimento, durante quase seis anos. Uma profunda e humilde exclamação de gratidão ergue-se do fundo de nosso coração para o "Pai das misericórdias e Deus de toda consolação" (2Cor 1,3). Com nossos agradecimentos, fazemos também uma prece fervorosa, implorando da bondade e onipotência divina o fim, segundo justiça, das sangüinárias lutas também no Extremo Oriente.

2. Ajoelhados diante dos túmulos e dos despenhadeiros revolvidos e manchados de sangue, onde jazem os restos de inúmeros seres humanos que tombaram vítimas das batalhas ou dos massacres desumanos ou presa da fome e da miséria, em nossas orações, e especialmente no santo sacrifício, lembramo-nos deles e oramos a Jesus Cristo, seu salvador e seu juiz. Os que tombaram parecem admoestar os sobreviventes deste conflito desumano e dizer-lhes: que os plasmadores e arquitetos de uma Europa nova e melhor surjam de nossos túmulos e da terra sobre a qual estamos espalhados, como sementes de trigo. Que surja um mundo novo e melhor baseado no temor filial de Deus, na fidelidade a seus santos mandamentos, no respeito à dignidade humana e aos direitos comuns de todos os povos e de todos os estados, grandes ou pequenos, fracos ou fortes.

3. A guerra criou um caos de ruínas, tanto no sentido moral como no material, tão grande como nunca antes a humanidade testemunhara no decorrer de toda sua longa história. Chegou agora o momento de reconstruir o mundo. Como primeira pedra fundamental deste processo de restauração, desejamos ver - após tão longa espera - até onde as circunstâncias permitirem, um pronto regresso dos prisioneiros de guerra e de outros internados, soldados ou civis, para seus lares, a suas esposas, a seus filhos e ao nobre trabalho da paz.

4. Dizemos; portanto, a todos: não permitais que vossa coragem vacile e que vossa energia decaia. Lançai-vos animadamente ao trabalho de reconstrução. Permiti que vosso trabalho seja sustentado pela divina Providência. Mãos ao trabalho, cada um em seu lugar; resoluto e tenaz, com o coração animado por um indestrutível amor por seu próximo. Certamente difícil, mas ao mesmo tempo santa, é a tarefa que vos espera, de reparar os efeitos imediatos e desastrosos da guerra, de transformar em bem seus mil e um desastrosos efeitos. Queremos nos referir à decadência da ordem pública, à miséria e à fome, à brutalização dos costumes e à falta de discïplina entre os jovens. Fazendo isso, pouco a pouco preparareis para vossas cidades e vossas aldeias, para vossas províncias e vossas pátrias, um futuro mais aceitável e o vigor de um sangue rejuvenescido.

5. Com as ameaças ocultas de morte afastadas da terra, dos mares e do céu, e, daqui por diante, assegurada pela deposição das armas, a vida do homem, criatura de Deus e do que lhes resta de propriedade privada e comum, os homens podem agora manter seu espírito e sua mente livres para a edificação da paz.

6. Considerando a Europa isoladamente, encontramonos face a face agora com problemas e dificuldades gigantescas que deverão ser vencidas se desejarmos abrir caminho para uma paz verdadeira - a única paz que pode ser duradoura. Esta não pode realmente florescer e prosperar senão numa atmosfera de segurança e perfeita fidelidade, aliada a uma confiança recíproca, à compreensão mútua e à benevolência. A guerra fez surgir por toda parte a discórdia, a suspeita e o ódio. Assim sendo, se o mundo desejar conquistar a paz, devem desaparecer as falsidades e os rancores e em seu lugar devem reinar a verdade e a caridade.

Acima de tudo, porém, em nossas preces diárias, devemos constantemente suplicar ao Deus do amor que cumpra sua promessa feita pela boca de Ezequiel: "Dar-lhes-ei um só coração, porei no seu íntimo um espírito novo: removerei do seu corpo o coração de pedra, dar-lhes-ei um coração de carne, a fim de que andem de acordo com os meus estatutos e guardem as minhas normas e as cumpram. Então serão o meu povo e eu serei o seu Deus" (Ez 11,19-20). Que o Senhor se digne criar esse novo espírito, o seu espírito; nos povos e particularmente no coração daqueles aos quais foi confiada a responsabilidade de estabelecer a futura paz! Somente então o mundo renascido evitará a repetição do tremendo flagelo e haverá um reinado de fraternidade verdadeira, estável e universal, aquela paz garantida pelo Cristo, também aqui na terra a quem quiser acreditar e esperar na sua lei de amor.

 

PIO PP. XII

 


Nota

(*) Radiomensagem do Santo Padre sobre o fim da Guerra na Europa,  9 de maio de 1945. Discurso pronunciado pelo Papa, falando através do rádio do Vaticano, por motivo da cessação das hostilidades na Europa.

 

 

 

top