The Holy See Search
back
riga

DEPARTAMENTO PARA AS CELEBRAÇÕES LITÚRGICAS
DO SUMO PONTÍFICE

VIA-SACRA
NO COLISEU

PRESIDIDA PELO SANTO PADRE

BENTO XVI

SEXTA-FEIRA SANTA DO ANO 2006

Jesus é descido da Cruz e entregue a sua Mãe - XIII Estação

MEDITAÇÕES E ORAÇÕES

de Sua Excelência Reverendíssima
Mons. ÂNGELO COMASTRI
Vigário Geral de Sua Santidade para a Cidade do Vaticano
Presidente da Fábrica de São Pedro

APRESENTAÇÃO

Duas palavras para te acompanhar no caminho

Ao percorrer o «Caminho da Cruz», impõem-se-nos duas certezas: a certeza do poder devastador do pecado e a certeza do poder regenerativo do Amor de Deus.

O poder devastador do pecado: a Bíblia não se cansa de repetir que o mal é mal porque nos faz mal; de facto, o pecado é auto-punitivo, porque contém em si mesmo a sanção. Eis alguns textos muito elucidativos de Jeremias: «Foram após a vaidade dos ídolos, tornando-se eles próprios vãos» (Jer 2, 5); «Sirvam-te de castigo as tuas perversidades, e de punição as tuas infidelidades. Sabe, portanto, e vê quão funesta e amarga coisa é o haveres abandonado o Senhor teu Deus, e teres perdido o meu temor» (Jer 2, 19); «As vossas iniquidades alteraram esta ordem, os vossos pecados privaram-vos destes bens» (Jer 5, 25).

E Isaías não lhe fica atrás: «Por isso, diz o Santo de Israel: “Visto que rejeitais esta palavra, e confiais na opressão e na perversidade e nelas vos apoiais; este pecado será, para vós, como uma fenda que forma saliência numa muralha elevada, até que de repente, num instante, se desmorona; como se quebra uma vasilha de barro feita em cacos, sem piedade, de modo que dos bocados não reste sequer um caco para apanhar as brasas do braseiro, para tirar água da cisterna”» (Is 30, 12-14). E, dando voz aos sentimentos mais genuínos do povo de Deus, o profeta exclama: «Todos nós éramos como homens impuros, a nossa justiça como roupa manchada; murchávamos como folhas secas, as nossas iniquidades, como o vento, nos arrastavam» (Is 64, 6).

Ao mesmo tempo, porém, os profetas denunciavam o endurecimento do coração que gera uma cegueira terrível e impede de notar a gravidade do pecado. Ouçamos Jeremias: «Desde o maior ao mais pequeno, todos se entregam à ganância desonesta; desde o profeta ao sacerdote todos procedem com dolo. Tratam com negligência as feridas do meu povo e exclamam: “Tudo bem! Tudo bem!”. Quando nada vai bem. Deveriam envergonhar-se pelo seu procedimento abominável, mas nem ao menos conhecem a vergonha, nem o que seja envergonhar-se» (Jer 6, 13-15).

Jesus, entrando dentro desta história devastada pelo pecado, deixou-Se agredir pelo peso e violência das nossas culpas: por este motivo, ao contemplar Jesus, nota-se claramente quão devastador é o pecado e quão doente está a família humana: isto é, nós! Tu e eu!

Mas – eis a segunda certeza! – Jesus reagiu ao nosso orgulho com a humildade; reagiu à nossa violência com a mansidão, reagiu ao nosso ódio com o Amor que perdoa: a Cruz é o acontecimento pelo qual o Amor de Deus entra na nossa história, aproxima-se de cada um de nós e torna-se experiência que regenera e salva.

Não podemos deixar de notar um facto: desde o princípio do seu ministério, Jesus fala da «sua hora» (Jo 2, 4), uma hora «por causa da qual Ele veio» (Jo 12, 27), uma hora que Ele saúda com alegria, exclamando ao início da sua Paixão: «Chegou a hora» (Jo 17, 1).

A Igreja guarda zelosamente a memória deste facto e no Credo, depois de ter afirmado que o Filho de Deus «encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e Se fez homem», logo a seguir exclama: «Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos, padeceu e foi sepultado».

Foi crucificado por nós! Jesus, morrendo, embrenhou-Se na experiência dramática da morte tal como foi construída pelos nossos pecados; morrendo, porém, Jesus encheu de Amor o morrer e, consequentemente, encheu-o da presença de Deus: deste modo, com a morte de Cristo, a morte foi vencida, porque Cristo encheu a morte precisamente da força oposta ao pecado que o gerou: Jesus encheu-a de Amor!

Através da fé e do baptismo, entrámos em contacto com a morte de Cristo, isto é, com o mistério do Amor com que Ele a viveu e venceu… e, assim, tem início a viagem do nosso regresso a Deus, regresso que terá o seu acabamento no momento da nossa morte vivida em Cristo e com Cristo: isto é, no Amor!

Percorrendo o «Caminho da Cruz», deixa Maria guiar-te pela mão: pede-Lhe uma migalha da sua humildade e docilidade, para que o Amor de Cristo Crucificado penetre dentro de ti e reconstrua o teu coração segundo a medida do Coração de Deus.

Boa caminhada!

+ÂNGELO COMASTRI

* * *


ORAÇÃO INICIAL

O Santo Padre:

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

R. Amen.

Senhor Jesus,
a tua paixão
é a história de toda a humanidade:
aquela história onde os bons são humilhados,
os mansos… agredidos,
os honestos… espezinhados
e os puros de coração são cinicamente escarnecidos.

Quem será o vencedor?
Quem dirá a última palavra?

Senhor Jesus,
nós cremos que Tu és a última palavra:
em Ti os bons já venceram,
em Ti os mansos já triunfaram,
em ti os honestos são coroados
e os puros de coração brilham como estrelas na noite.

Senhor Jesus,
esta noite percorremos o caminho da tua cruz,
cientes de que é também o nosso caminho.
Mas uma certeza nos ilumina:
o caminho não termina na cruz
mas continua para além,
continua para o Reino da Vida
e a explosão da Alegria
que ninguém mais nos poderá arrebatar![1]

O leitor:

Ó Jesus, detenho-me pensativo
aos pés da tua cruz:
também eu a construí com os meus pecados!
A tua bondade que não se defende
e se deixa crucificar,
é um mistério que me ultrapassa
e me comove profundamente.

Senhor, Tu vieste ao mundo por mim
para me procurares, para me trazeres
o abraço do Pai:[2]
o abraço que me falta!

Tu é o Rosto da bondade
e da misericórdia:
por isso queres salvar-me!

Dentro de mim, há muito egoísmo:
vem com a tua ilimitada caridade!
Dentro de mim há orgulho e malícia:
vem com a tua mansidão e a tua humildade!

Senhor, o pecador a salvar sou eu:
o filho pródigo que deve regressar, sou eu!
Senhor, concede-me o dom das lágrimas
para reencontrar a liberdade e a vida,
a paz Contigo e a alegria em Ti.



[1] Jo 16, 22; Mt 5, 12.
[2] Lc 15, 20.

© Copyright 2006 - Libreria Editrice Vaticana

top