Na audiência geral o Papa Francisco falou da Eucaristia como fonte de vida da Igreja

Palavra e pão

"É muito importante ir à missa ao domingo" e "não só para rezar, mas para receber a Comunhão... É bom fazer isto!". Improvisando, o Papa Francisco acrescentou estas palavras ao texto preparado para a audiência geral de quarta-feira 5 de Fevereiro, para chamar a atenção dos fiéis sobre o significado da participação na Eucaristia dominical, ou seja, no "dia exacto da ressurreição do Senhor. Por isso - disse - o domingo é tão importante para nós".
Por conseguinte, um dia que deve ser vivido e celebrado com a participação na Eucaristia: um sacramento "que se coloca - observou o Pontífice - no coração da iniciação cristã, juntamente com o baptismo e a confirmação" e que "constitui a fonte da própria vida da Igreja".
O altar coberto com a toalha como uma mesa, a cruz do sacrifício de Cristo que se faz "alimento espiritual, sob os sinais do pão e do vinho", o ambão do qual se proclama a Palavra representam a última ceia, na qual palavra e pão "se tornam um todo" e se transformam "em extremo agradecimento ao Pai pelo seu amor". E "agradecimento", explicou o Pontífice, "em grego diz-se "eucaristia"".
E também em nome desta comunhão o Papa Francisco, dirigindo-se aos grupos de fiéis presentes na praça de São Pedro, fez de novo apelo à solidariedade com os "nossos irmãos e irmãs - disse - que sofrem as consequências de tanta chuva que caiu na Toscana e aqui em Roma". Chuva que ainda persiste sobre a capital e obrigou a reunir os numerosos doentes - cuja presença caracteriza a audiência geral - na Sala Paulo VI, de onde seguiram o Pontífice através de grandes ecrãs. O Papa Francisco prolongou-se com eles antes de chegar ao adro da basílica Vaticana e depois, no final do encontro, dirigiu-lhes uma saudação.



(©L'Osservatore Romano - 6 de Fevereiro de 2014)
[Index] [Top][Home]

 

O Santo Padre celebrou o dia dos consagrados

Se não houvesse religiosas

"Pensemos um pouco no que aconteceria, se não houvesse religiosas nos hospitais, nas missões e nas escolas". Aos fiéis reunidos na praça de São Pedro para o Angelus de domingo 2 de Fevereiro, festa da Apresentação do Senhor, o Papa dirigiu estas palavras improvisadas para frisar a importância das pessoas consagradas na vida da Igreja e do mundo. "Há muita necessidade - acrescentou - destas presenças, que fortalecem e renovam o compromisso da propagação do Evangelho, da educação cristã, da caridade aos necessitados e da oração contemplativa; o compromisso a favor da formação humana, da formação espiritual dos jovens e das famílias, o compromisso pela justiça e pela paz na família humana".
Ao testemunho dos religiosos e das religiosas, o Pontífice dedicou também a homilia pronunciada pouco antes na basílica de São Pedro para a celebração do dia da vida consagrada. Evocando a simbologia da apresentação de Jesus no templo, recordou que na experiência da consagração religiosa, "observância" e "profecia" não estão em oposição mas devem proceder juntas sob a guia do Espírito Santo.



(©L'Osservatore Romano - 6 de Fevereiro de 2014)
[Index] [Top][Home]