The Holy See
back up
Search
riga

 

 

A ACTIVIDADE DO PONTIFÍCIO CONSELHO "COR UNUM" DURANTE O ANO DE 2001

Juntamente com o Papa, testemunhas concretas  da caridade de Cristo entre os pobres nos países em vias de desenvolvimento  e nas nações atingidas por calamidades

   

 

O XXX aniversário  do Pontifício Conselho

No dia 15 de Julho celebrou-se o XXX aniversário de fundação do Pontifício Conselho "Cor Unum", instituído pelo Papa Paulo VI com a Carta Apostólica Amoris officio (Impelidos pelo dever do Amor). Para recordar este acontecimento, o Pontifício Conselho preparou um volume intitulado ARS CARITATIS, que contém:

- A Carta de Instituição;

- Os Discursos do Papa Paulo VI aos participantes nas Assembleias Plenárias do Pontifício Conselho;

- As Alocuções do Papa João Paulo II às Assembleias Plenárias do Pontifício Conselho "Cor Unum";

- A Homilia do Papa João Paulo II durante a Celebração eucarística por ocasião da Jornada da Caridade (16 de Maio de 1999);

- A Mensagem do Papa João Paulo II às Testemunhas da Caridade, reunidas na Praça de São Pedro para celebrar a Jornada da Caridade (16 de Maio de 1999);

- O Discurso do Santo Padre João Paulo II aos membros dos Conselhos de Administração das Fundações "João Paulo II para o Sahel" e Populorum Progressio;

- A Mensagem do Papa João Paulo II aos Voluntários, no encerramento do Ano do Voluntariado (5 de Dezembro de 2001);

- Um Artigo sobre a Fundação "João Paulo II para o Sahel";

- Um Artigo sobre a Fundação Populorum Progressio;

- Um Glossário dos termos mais utilizados no âmbito sócio-caritativo.

O volume, redigido em línguas italiana, espanhola, inglesa e francesa, pode ser pedido directamente a: Pontifício Conselho "Cor Unum" - 00120 Cidade do Vaticano FAX: + 39 06 69887301 E-Mail: corunum@corunum.va

As tarefas  do Pontifício Conselho

Tanto na Carta de Instituição como nas suas Alocuções por ocasião das Audiências especiais concedidas aos membros do Pontifício Conselho "Cor Unum", reunidos em Assembleia Plenária, o Servo de Deus Papa Paulo VI e Sua Santidade João Paulo II traçaram as linhas directrizes da actividade do Pontifício Conselho "Cor Unum".

Quando instituiu o novo Pontifício Conselho "Cor Unum", o Papa Paulo VI escreveu ao Cardeal Jean Villot, então seu Secretário de Estado, no dia 15 de Julho de 1971, a seguinte carta: "Por conseguinte, parece-nos oportuno fundar um Conselho especial que ofereça, por assim dizer, a possibilidade de um encontro conjunto a todo o Povo de Deus para debater acerca dos temas da solidariedade e do desenvolvimento, a realizar em conformidade com os princípios imutáveis do Evangelho". O mesmo conceito foi reconfirmado pelo Papa Paulo VI na primeira Audiência concedida ao Pontifício Conselho "Cor Unum", no dia 13 de Janeiro de 1972, com uma Alocução que pode ser definida como programática: "A criação (deste Pontifício Conselho, n.d.r.) mostra claramente a nossa preocupação em manter viva e activa, no seio do Povo de Deus, a lei da caridade, em que se resume a mensagem do Senhor". Depois, ele continua, afirmando que lê no convite contido na Carta de São Tiago (cf. 1, 19 ss.), a pôr em prática e a traduzir em obras concretas a Lei do Amor, também "um apelo que exorta a Igreja, reunida como Povo de Deus, a dar testemunho desta caridade que, brotando do coração de Cristo ao ver as multidões de pessoas famintas, o exortava a pôr imediatamente os discípulos ao seu serviço" (Amoris officio, 15 de Julho de 1971).

Ao delinear os âmbitos da acção do Pontifício Conselho "Cor Unum", o Papa João Paulo II escreveu na Constituição Apostólica Pastor Bonus, de 28 de Junho de 1988, sobre a reforma da Cúria Romana, que "o Conselho ("Cor Unum", n.d.r.) exprime a solicitude da Igreja católica para com os necessitados, a fim de que seja favorecida a fraternidade humana e se manifeste a caridade de Cristo" (Pastor Bonus, art. 145).

Ao longo destas linhas directrizes começou a desenvolver-se de maneira prioritária, no decurso dos últimos trinta anos, a actividade do Pontifício Conselho "Cor Unum". E isto, com particular evidência durante o último quinquénio, com a finalidade de oferecer o necessário serviço às organizações católicas comprometidas no campo sócio-caritativo para afastar o perigo da secularização, em desvantagem da identidade que lhes é própria, enraizada na fé e no testemunho de cada um dos seus membros e operadores individualmente. É nesta linha que se inserem também o Encontro das Campanhas quaresmais da Europa (1997), o Congresso Mundial da Caridade (1999), a difusão da Mensagem quaresmal anual do Papa João Paulo II, a participação em encontros com os Bispos do mundo inteiro, por ocasião da sua vinda a Roma para as visitas ad limina Apostolorum. E é neste mesmo contexto que se insere a colaboração com a Cáritas da Polónia, durante o ano de 2001, para a preparação de uma Assembleia internacional dos responsáveis das Cáritas nacionais do mundo inteiro, sobre o tema da "Identidade da Cáritas", realizada nos arredores de Czestochowa (Polónia) nos primeiros dias do mês de Abril desse mesmo ano.

A própria Constituição Apostólica Pastor Bonus assim resume as tarefas confiadas ao Pontifício Conselho "Cor Unum": "Estimular os fiéis a dar testemunho de caridade evangélica, enquanto participam na mesma missão da Igreja, e sustentá-los neste seu compromisso"; "favorecer e coordenar as iniciativas das Instituições católicas que esperam poder ajudar os povos que vivem na indigência, de maneira especial as iniciativas destinadas a prestar socorro às suas mais urgentes necessidades e calamidades... "; "seguir com atenção e promover os projectos e as obras de assistência solidária e de ajuda fraternal, em ordem ao desenvolvimento humano". Estes constituem os momentos em que a fé bem enraizada "eclode" - perdoai-me o recurso a este verbo - em obras de amor ao próximo. Na mencionada Audiência de 8 de Abril de 1994, o Papa João Paulo II recomendava: "As exigências técnicas modernas e a busca de uma maior  eficácia na boa organização não devem fazer esquecer que as estruturas não têm outras finalidades, senão o objectivo de orientar a caridade do Povo de Deus. Assim como os fiéis individualmente não devem desinteressar-se da acção que confiam aos Organismos especializados, do mesmo modo os responsáveis destes últimos não podem pretender ser administradores independentes dos seus projectos ou possuidores autónomos dos seus próprios instrumentos. Eles mesmos, impelidos por uma generosidade que não posso deixar de elogiar, são os servidores da caridade, que deve reflectir a unidade fraternal do Povo de Deus". Trata-se da  prática de sinergias convergentes no testemunho concreto da Caridade de Cristo,  que  "andou  [por  toda  a  parte]  fazendo  o  bem  e  curando  todos" (Act 10, 38).

Instrumento  da caridade do Papa

No dia 14 de Dezembro de 2001 foi celebrada a Jornada de Jejum e de Oração pela Paz, proclamada pelo Santo Padre a seguir aos trágicos acontecimentos terroristas de 11 de Setembro e à guerra no Afeganistão. Lançando um vigoroso apelo em benefício das vítimas do terrorismo e da guerra, o Papa João Paulo II encarregou o Pontifício Conselho "Cor Unum" de destinar as ofertas recolhidas nesse dia aos mais necessitados, com particular consideração pelas crianças, as pessoas idosas, as mulheres, os enfermos e os portadores de deficiência.

As adesões foram numerosas e significativas: famílias inteiras, associações paroquiais, comunidades de trabalho, institutos religiosos e dioceses de todas as partes do mundo, mas sobretudo da Itália, enviaram as economias de um dia para esta finalidade. E ainda hoje as ofertas continuam a chegar. Até agora, mais de três mil, para uma quantia total de cerca de 1.800.000 euros. Na França, a publicação quinzenal católica intitulada L'Homme Nouveau tornou-se divulgadora desta iniciativa pontifícia. Mais de 600 leitores dessa publicação enviaram ao Papa uma especial mensagem de adesão, que a Revista mandou ao Pontifício Conselho "Cor Unum" e que este, por sua vez, levou ao conhecimento do Alto Destinatário. Por disposição do Papa João Paulo II, nos primeiros anos do corrente ano o Pontifício Conselho "Cor Unum" já distribuiu ajudas correspondentes a 950.000 dólares americanos em favor dos prófugos no Afeganistão, das vítimas da guerra no Médio Oriente, dos refugiados iraquianos e para a instituição de uma bolsa de estudos para um órfão do ataque terrorista ocorrido em Nova Iorque (Estados Unidos da América). Um ulterior contributo de 50.000 dólares americanos foi enviado ao Centro médico católico de São Vicente, com sede na mesma cidade de Nova Iorque, que se ocupa de curar as vítimas do atentado terrorista. Na sua recente viagem apostólica, o Santo Padre levou consigo uma oferta de 100.000 dólares americanos aos refugiados no Azerbaijão.

Precedentemente, no dia 29 de Novembro de 2001, a Nobreza romana reuniu-se com Personalidades do mundo empresarial para uma solene Celebração eucarística, na Basílica de Santa Maria Maior em Roma, para invocar a paz e rezar pelas vítimas do terrorismo e da guerra. As ofertas reunidas (mais de dez milhões de liras) foram destinadas para a acção de socorro em vantagem dos refugiados do Afeganistão, que o Pontifício Conselho "Cor Unum" distribui em nome do Santo Padre.

Em conformidade com as linhas directrizes da Carta de instituição do Pontifício Conselho (cf. Paulo VI, Amoris officio, 15 de Julho de 1971) e da Constituição Apostólica Pastor Bonus (cf. João Paulo II, 28 de Junho de 1988), graças à generosidade dos fiéis individualmente e das várias instituições eclesiais e religiosas, que confiaram ao Santo Padre os seus gestos de amor aos irmãos em dificuldade nas diversas regiões do mundo inteiro, o Pontifício Conselho "Cor Unum" pôde distribuir ajudas em benefício de projectos destinados à recuperação e à reabilitação das populações atingidas por calamidades e guerras, e igualmente à promoção humana integral dos sectores mais frágeis da população,  em  diversos  países  do mundo.

As duas primeiras tabelas apresentadas mostram de maneira resumida, em ordem cronológica, as intervenções realizadas pelo Pontifício Conselho "Cor Unum" nos sectores das calamidades e da promoção humana integral, como acabámos de mencionar (ver Tabelas nn. 1-2).

  Tabela 1. EMERGÊNCIAS

mÊS

PAÍS

Tipo de EMERGÊNCIA

AJuda DISTRIBUÍDA EM US$

Janeiro

Jugoslávia

Refugiados

100.000

Janeiro

El Salvador

Terremoto

100.000

Janeiro

India

Terremoto

100.000

Fevereiro

El Salvador

Terremoto

50.000

Março

Rep. Dem. do Congo

Guerra

20.000

Março

Etiópia

Guerra

20.000

Março

Uganda

Refugiados

9.000

Março

Ruanda

Seca

15.000

Março

Quénia

Terrorismo

10.000

Março

Papua-Nova Guiné

Violência interna

30.000

Maio

Ucrânia

Inundações  

20.000

Maio

Rep. Centro-Africana

Refugiados

20.000

Maio

Malavi

Inundações  

20.000

Maio

Chade

Seca e carestia

20.000

Maio

Hungria

Inundações  

20.000

Maio

Bangladesh

Inundações  

50.000

Julho

Rep. Dem. do Congo

Refugiados

2.500

Julho

India

Terremoto

13.000

Julho

Peru

Terremoto

100.000

Julho

Polónia

Inundações  

100.000

Agosto

Zimbábue

Inundações  

10.000

Agosto

Zâmbia

Seca

10.000

Agosto

Turquia

Refugiados

20.000

Agosto

Peru

Inundações

20.000

Agosto

Moçambique

Inundações

20.000

Agosto

Quénia

Sida

20.000

Outubro

E.U.A.

Terrorismo

3.200

Outubro

Paquistão

Prófugos afegães

200.000

Novembro

Uganda

Seca

4.000

Novembro

Sri Lanka

Seca

10.000

Novembro

Rep. do Congo

Prófugos

7.500

Novembro

Geórgia

Prófugos

20.000

Novembro

Bangladesh

Terrorismo

25.000

Novembro

Argélia

Inundações

1.500

 

Total distribuído para as emergências

 

 

1.190.700

 

Tabela 2. promoção humana

MÊs

PAÍS

sector

CONTRIBUIÇÃO DISTRIBUÍDA eM US$

Março

Brasil

Crianças de rua

6.000

Março

Chile

Saúde

15.000

Março

Vietname

Transportes

2.500

Março

Tanzânia

Transportes

500

Março

India

Agricultura

9.000

Março

El Salvador

Crianças

10.000

Março

Rep. Dem. do Congo

Saúde

10.000

Março

Burundi

Saúde

25.000

Abril

Albânia

Educação

80.000

Maio

Zâmbia

Saúde

800

Maio

Vietname

Formação

1.400

Maio

Ucrânia

Habitações

20.000

Maio

Tanzânia

Agricultura e saúde

5.000

Maio

Peru

Agricultura e alimentação

20.000

Maio

Quénia

Agricultura e alimentação

16.000

Maio

Cazaquistão

Centros comunitários

20.000

Maio

Iraque

Jovens

20.000

Maio

India

Habitações e saúde

20.000

Maio

India

Habitações

10.000

Maio

Croácia

Habitações

20.000

Maio

Bósnia

Jovens

10.000

Maio

Albânia

Educação

15.000

Maio

Filipinas

Mulheres

10.000

Junho

Ucrânia

Crianças

2.500

Julho

Filipinas

Educação

20.000

Agosto

Ucrânia

Alimentação

10.000

Agosto

Roménia

Crianças

15.000

Agosto

Roménia

Saúde

10.000

Agosto

Peru

Saúde

20.000

Agosto

México

Formação

18.000

Agosto

Lituânia

Sócio-pastoral

2.000

Agosto

Quénia

Formação

6.500

Agosto

Iraque

Formação

15.000

Agosto

India

Saúde

6.000

Agosto

Filipinas

Formação

25.000

Agosto

Etiópa

Mulheres

15.000

Agosto

Egipto

Alimentação

20.000

Agosto

Chile

Indígenas

5.000

Agosto

Vietname

Minorias étnicas

15.000

Agosto

Vietname

Educação

4.000

Agosto

Vietname

Educação

2.000

Setembro

Bolívia

Mulheres encarceradas

10.000

Setembro 

Quénia

Saúde

5.000

Novembro

Quénia

Saúde

20.000

Novembro

Rússia

Jóvenes

10.000

Novembro

Rússia

Sócio-pastoral

10.000

Novembro

Vietname

Transportes

2.000

Novembro

Uruguai

Agricultura e alimentação

10.000

Novembro

Uganda

Habitações

7.000

Novembro

Ucrânia

Crianças

20.000

Novembro

Tanzânia

Saúde

20.000

Novembro

Peru

Saúde

10.500

Novembro

Peru

Mulheres

20.000

Novembro

Nigéria

Idosos

4.000

Novembro

Nigéria

Portadores de deficiência

15.000

Novembro

Nigéria

Saúde

5.500

Novembro

India

Educação

1.000

Novembro

Haiti

Sócio-pastoral

5.000

Novembro

Guatemala

Produção

8.000

Novembro

Etiópia

Sócio-pastoral

10.000

Novembro

Colômbia

Crianças

10.000

Novembro

Chile

Encarcerados

8.000

Novembro

Camarões

Agricultura

10.000

Novembro

Brasil

Sócio-pastoral

15.000

Novembro

Brasil

Formação

8.000

Novembro

Albânia

Centros comunitários

25.000

Novembro

Rep. Centro-Africana

Jovens

15.000

 

Total distribuído para a promoção humana

 

 

841.200

As duas Fundações  que trabalham no âmbito das competências  do Pontifício Conselho  "Cor Unum"

       Fundação "João Paulo II  para o Sahel"

 Instituída pelo Papa João Paulo II para a região do Sahel em 1984, esta Fundação dá continuidade ao seu trabalho em benefício dos projectos contra a seca e a desertificação nos nove países da região do Sahel, como também dos projectos destinados à formação de pessoas especializadas neste campo. Na sua reunião anual, que teve lugar na localidade de Ndjamena (Chade), de 4 a 11 de Fevereiro, o Conselho de Administração deliberou o financiamento de 230 projectos, para uma quantia total de US$ 1,974,305,00. A próxima tabela mostra as intervenções realizadas pela Fundação "João Paulo II para o Sahel" nos vários sectores (ver Tabela n. 3).

Tabela 3. Fundação "João Paulo II para o Sahel"

intervenções realizadas 

pela Fundação "João Paulo II para o Sahel" -  2001

PAÍS

A0

A1

A2

B0

B1

C0

D

E

F

Total DE proJectos FINaNCIADOS

 

QUANTÍA diSTRIBUÍds EM US$

 

BURKINA FASSO

10

14

9

23

10

10

11

3

0

90

968.469

CABO VERDE

1

0

0

0

0

1

0

0

0

2

12.864

CHADE

4

7

5

9

11

2

1

3

1

43

224.341

GÂMBIA

1

0

1

1

3

0

0

0

0

6

60.582

GUINÉ-BISSAU

0

0

0

0

0

1

0

0

0

1

77.879

MALI

4

7

1

6

3

1

1

0

0

23

138.125

MAURITÂNIA

1

5

0

3

1

1

0

1

0

12

130.354

NÍGER

3

1

1

1

3

3

3

0

0

15

119.639

SENEGAL

3

8

4

9

6

6

1

1

0

38

224.341

INTERNACIONAL

0

0

0

0

1

0

0

0

0

1

17.711

TOTAL

27

42

21

52

38

25

17

8

1

231

1.974.305

A0) Meio ambiente;  A1) Agricultura;  A2) Criação de gado;  B0) Animação;  B1) Promoção;  C0) Hidráulica; D) Saúde; E) Formação técnica; F) Outros.

O financiamento dos projectos tornou-se possível em virtude da generosa contribuição dos fiéis italianos, através da Comissão da Conferência Episcopal Italiana para as Intervenções caritativas em favor do Terceiro Mundo, e de 90% dos juros acumulados a partir do capital da Fundação, em grande parte garantido pela colecta promovida no meio dos fiéis da Alemanha, por ocasião da Viagem Apostólica do Papa João Paulo II a esse país, no final de 1980. Porém, são consideráveis também as ofertas que chegam periodicamente dos fiéis da França.

 

      Fundação Populorum Progressio

Instituída pelo Papa João Paulo II no dia 22 de Fevereiro de 1992, por ocasião do V Centenário do início da evangelização na América Latina, esta Fundação tem em vista favorecer a promoção humana integral das Comunidades indígenas, mestiças e afro-americanas camponesas pobres da América Latina e da região do Caribe.

Na sua reunião anual, que teve lugar durante o mês de Julho na cidade de Cobán (Guatemala), o Conselho de Administração da Fundação, presidido por Sua Ex.cia D. Fábio Betancur Tirado, Arcebispo de Manizales (Colômbia), aprovou 216 projectos para uma quantia total de US$ 1,773,700. Nessa sessão, além do Subsecretário da Fundação Populorum Progressio, que é membro deste Conselho, participou também o Presidente do Pontifício Conselho "Cor Unum", como Presidente e Representante legal da mesma Fundação. O limite dos recursos disponíveis não permitiu satisfazer plenamente os 294 pedidos que nos chegaram, para uma quantia total de US$ 2,912,113,00.

A tabela seguinte oferece um quadro das intervenções da Fundação Populorum Progressio (ver Tabela n. 4).

Tabela 4. intervenções da Fundação 

FUNDAÇÃO POPULORUM PROGRESSIO - 2001

PAÍS

n° DE ProJectos APROVADOS

CONTIBUIção DISTRIBUÍDA EM US$

ARGENTINA

2

16.100

BOLÍVIA

19

143.800

BRASIL

18

132.000

CHILE

12

95.000

COLÔMBIA

24

216.000

COSTA RICA

14

115.300

CUBA

2

17.600

EQUADOR

25

207.300

EL SALVADOR

10

89.000

GUATEMALA

15

114.000

HAITI

3

30.000

MÉXICO

12

97.400

NICARÁGUA

13

99.000

PANAMÁ

9

79.000

PARAGUAI

2

19.000

PERU

26

217.200

REP. DOMINICANA

6

50.000

URUGUAI

1

10.000

VENEZUELA

3

26.000

TOTAL

216

1.773.700

Também no que diz respeito à Fundação Populorum Progressio vale aquilo que se disse a propósito do apoio dado pelos fiéis italianos à Fundação "João Paulo II para o Sahel".

Visitas aos países atingidos por calamidades

 A contribuição financeira não esgota o compromisso do Pontifício Conselho "Cor Unum" e dos seus responsáveis, em relação às pessoas que sofrem em virtude de calamidades e de guerras ou da  pobreza  em  todas  as  suas  expressões.

Duas foram as grandes emergências, por ocasião das quais o Santo Padre João Paulo II, depois de ter lançado vigorosos apelos em prol da solidariedade internacional, quis dar um sinal da sua proximidade em relação às populações mais duramente provadas.

A primeira missão realizou-se no meio das populações de El Salvador, na América Central, atingidas por um grave terremoto. De 23 a 27 de Janeiro, Sua Ex.cia Rev.ma o Arcebispo D. Paul Josef Cordes, Presidente do Pontifício Conselho "Cor Unum", teve a possibilidade de se encontrar com os Bispos, os representantes das Organizações de ajuda e de assistência locais e estrangeiras, e visitar "in loco" as populações atingidos pelos vários sismas. Além de transmitir os pêsames e o encorajamento do Papa, ele confiou ao Presidente da Conferência Episcopal local uma contribuição de US$ 100,000, para sustentar a obra de socorro em benefício das vítimas. O segundo envio, de US$ 50,000, foi efectuado pelo Pontifício Conselho "Cor Unum" durante o mês de Fevereiro. No encontro com os representantes das Agências católicas e com os voluntários, o Arcebispo D. Cordes agradeceu em nome do Papa e quis realçar o facto de que a solidariedade cristã, inspirada pela Caridade de Cristo, é a característica que distingue a sua acção.

A segunda missão do Pontifício Conselho "Cor Unum" realizou-se no contexto das trágicas consequências dos actos terroristas, perpetrados no dia 11 de Setembro de 2001 em Nova Iorque, e da guerra no Afeganistão. De 25 a 30 de Outubro do ano passado, o Presidente do Pontifício Conselho "Cor Unum", por encargo do Santo Padre, visitou o Paquistão, cujas fronteiras estavam apinhadas de prófugos afegães que procuravam salvar-se dos bombardeamentos maciços. Ele encontrou-se com os sete Bispos do País, com os representantes das Organizações católicas locais e estrangeiras, comprometidas na urgente obra de ajuda destinada aos prófugos, e com cerca de quarenta religiosas e religiosos, em representação dos missionários que permaneceram no lugar. Em seguida, foi recebido em audiência pelo Chefe de Estado, Sua Excelência o Senhor General Musharraf, que lhe expressou o apreço do país e da sua própria pessoa pelo generoso compromisso assumido pelo Papa em favor da paz e também pela presença das Instituições católicas entre os mais necessitados. Em nome do Santo Padre, D. Josef Cordes confiou ao Presidente da Conferência Episcopal local uma contribuição de US$ 200,000, destinadas às obras de socorro mais urgentes.

Entre as duas supramencionadas emergências, podem inserir-se as urgências causadas pelos acontecimentos dramáticos que tiveram lugar durante os últimos anos e que, todavia, continuam a produzir os seus efeitos negativos sobre as populações atingidas, como a situação nos Balcãs e o terremoto no Peru. Dando continuidade às visitas aos países da ex-Federação Socialista Jugoslava, nos dias 4-6 do mês de Junho de 2001 o Presidente do Pontifício Conselho "Cor Unum" viajou a Belgrado (Jugoslávia). Nessa cidade, D. Josef Cordes teve a oportunidade de se encontrar com os Bispos, com os representantes das Organizações sócio-caritativas que trabalham "in loco", e também com as autoridades civis. A finalidade desta visita era favorecer uma acção coordenada por parte das Agências de assistência.

Nos dias 21-22 do mês de Junho de 2001, o Presidente do Pontifício Conselho "Cor Unum" visitou as regiões atingidas pelo terremoto no Peru, encontrando-se com vários Bispos, com os representantes das Organizações sócio-caritativas, com os operadores no campo da caridade e com grupos de pessoas em representação da população atingida por esta calamidade.

As reacções a tais visitas dão testemunho do facto de que o gesto do Papa, de enviar o seu Delegado pessoal, contribui para voltar a despertar nos homens e nas mulheres provados pelo sofrimento, motivos de esperança de um autêntico renascimento espiritual e material.

 

Guido GIANNINI

 Julho 2002

 

top