The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AO SENHOR PETROS TSEGGAI ASGHEDOM
NOVO EMBAIXADOR DA REPÚBLICA DA ERITREIA
JUNTO DA SANTA SÉ POR OCASIÃO
DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS*

1 de Dezembro de 2005

 

Senhor Embaixador

É-me grato dar-lhe as boas-vindas ao Vaticano e aceitar as Cartas que o acreditam como Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República da Eritreia junto da Santa Sé. Agradeço-lhe as saudações que Vossa Excelência me transmite da parte do seu Presidente, Sua Excelência o Senhor Isaías Afwerki, e peço que lhe comunique a minha respeitosa gratidão e que lhe assegure as minhas preces incessantes pelo bem-estar da sua nação.

A Santa Sé valoriza enormemente os próprios vínculos diplomáticos com o seu país, que a tornam capaz de cooperar com o seu governo no interesse da paz e da estabilidade entre as queridas populações do Chifre da África. A Igreja compartilha com todas as pessoas de boa vontade a responsabilidade "de construir uma sociedade pacífica, de vencer a tentação do confronto entre as diferentes culturas, raças e mundos" (Discurso ao Corpo Diplomático, 12 de Maio de 2005). O Senhor Embaixador conhece a triste experiência do terrível preço humano da guerra; permita-me assegurar-lhe que a Santa Sé deseja ardentemente fazer tudo o que lhe é possível para ajudar a comunidade internacional nos seus esforços para evitar uma ulterior recrudescência militar e a resolução dos conflitos contínuos na sua região da África.

As principais vítimas da guerra são sempre as pessoas cujas vidas são profundamente interrompidas pela violência e pela destruição. Muitas delas são forçadas a abandonar os próprios lares, ou a buscar refúgio nos Estados vizinhos. A Igreja sente-se próxima dos refugiados e das pessoas deslocadas, "não só com a sua presença pastoral e com a sua ajuda material, mas também com o seu compromisso na defesa da sua dignidade humana" (cf. Compêndio da Doutrina Social da Igreja, 505). No seu país, onde os efeitos da pobreza dos povos alcançou graves proporções, a Igreja Católica está comprometida em demonstrar a própria solidariedade para com eles no seu sofrimento, e em oferecer-lhes uma ajuda concreta. Na medida em que os líderes se tornam cada vez mais conscientes da necessidade de oferecer uma assistência eficaz à África, a Igreja sente-se feliz por ser unir a eles na luta contra a fome, a pobreza e a doença.

Não obstante correspondam a uma pequena proporção da população da Eritreia, os católicos podem oferecer uma significativa contribuição para a vida nacional, através do seu testemunho cristão e do seu compromisso no progresso do bem comum. Fiel à sua natureza e missão, a Igreja procura ir sempre ao encontro dos pobres e dos doentes, trabalhando incansavelmente pela promoção da dignidade da pessoa humana, criada à imagem de Deus. Por este motivo, ela aproveita a oportunidade para cooperar com o governo da Eritreia e para colocar os seus consideráveis recursos de pessoal e a sua experiência ao serviço do povo eritreu. Estou convicto de que o governo, por sua vez, facilitará de bom grado os esforços humanitários, acolhendo os missionários que chegam do estrangeiro e ajudando o clero e os religiosos autóctones, que dedicam a sua vida inteira à oração e ao ministério pastoral. De modo particular, pedir-lhe-ia que se respeitasse o seu direito à isenção do serviço militar:  a Eritreia será melhor servida, se tais pessoas tiverem a liberdade de responder ao seu chamamento cristão e às respectivas vocações.

De facto, expresso a minha esperança a fim de que se dêem passos concretos para implementar, na medida do possível, a garantia constitucional da liberdade religiosa por parte do seu país. Como ensina o Concílio Vaticano II, trata-se de um direito que se fundamenta "realmente na dignidade da pessoa humana, [conhecida] como a palavra revelada de Deus e a própria razão" (Dignitatis humanae, 2). Por conseguinte, a Igreja Católica interessa-se profundamente por que todos os cidadãos sejam livres de pôr em prática a fé que lhes é própria, e que ninguém se sinta ameaçado nem coagido de modo algum a este propósito. Ela procura fomentar também o diálogo e a fraternidade respeitosos entre as diversificadas tradições cristãs e entre as várias religiões e, deste modo, contribuir para a coexistência pacífica de todos os grupos que formam a sociedade eritreia.

Ao promover a liberdade de cumprir a sua missão de amor no meio do seu povo, a Igreja deseja ardentemente apressar o dia em que todos os cidadãos do seu país serão capazes de viver unidos na paz, na prosperidade e na harmonia.

Excelência, estou persuadido de que a missão diplomática que o Senhor Embaixador está a começar no dia de hoje consolidará os bons relacionamentos já existentes entre o Estado da Eritreia e a Santa Sé. Enquanto lhe formulo os meus melhores votos para os anos vindouros, gostaria de lhe assegurar que os vários departamentos da Cúria Romana estarão sempre dispostos a ajudá-lo no cumprimento dos seus deveres. Sobre Vossa Excelência, a sua família e todo o povo da Eritreia, invoco cordialmente as abundantes bênçãos divinas.


*L'Osservatore Romano n. p. n. 51 pp. 7,9.

 

© Copyright 2005 - Libreria Editrice Vaticana

 

top