The Holy See
back up
Search
riga

DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AO SENHOR DOMINGOS DIAS PEREIRA MASCARENHAS
 NOVO EMBAIXADOR DE CABO VERDE JUNTO DA SANTA SÉ
 POR OCASIÃO DA APRESENTAÇÃO DAS CARTAS CREDENCIAIS*

18 de Maio de 2006

 

Senhor Embaixador

É com prazer que recebo Vossa Excelência por ocasião da apresentação das Cartas que o acreditam como Embaixador extraordinário e plenipotenciário de Cabo Verde junto da Santa Sé.

Agradeço-lhe as deferentes palavras que acaba de me dirigir, assim como as saudações que me transmitiu da parte de Sua Excelência o Sr. Pedro Verona Rodriguez Pires, Presidente da República. Agradeço-lhe a amabilidade de retribuir com os meus votos fervorosos de bem-estar e prosperidade para a sua pessoa e para todo o povo cabo-verdiano.

Como Vossa Excelência ressaltou no seu discurso, a presença da Igreja nas ilhas de Cabo Verde remonta há vários séculos, fazendo com que a fé cristã fosse um componente essencial da cultura e do património espiritual da população. Assim, é importante que as relações entre a Igreja e o Estado se desenvolvam harmoniosamente no respeito da autonomia das duas partes, porque os dois, mesmo se em âmbitos diferentes, estão ao serviço da vocação pessoal e social das mesmas pessoas, na busca do bem comum. Senhor Embaixador, como sabe, a Igreja católica deseja contribuir para o desenvolvimento integral dos povos.

De facto, a pobreza na qual tantos homens e mulheres vivem não podem deixar de interpelar a consciência humana. Ela apresenta a todos a questão dramática da justiça. O subdesenvolvimento não é uma fatalidade. Deve ser enfrentado com determinação e perseverança. Pois, como recordou com frequência o Magistério da Igreja, o desenvolvimento não é apenas uma aspiração, mas um direito: "A colaboração no desenvolvimento de todos os homens e do homem todo é, de facto, um dever de todos para com todos" (Encíclica Sollicitudo rei socialis, 32).

Por conseguinte, é necessário que uma autêntica solidariedade favoreça relações mais equitativas entre as nações, assim como o seu desenvolvimento humano e espiritual. Com efeito, a solidariedade deve ser exercida não só no âmbito de cada sociedade, mas também entre os povos porque, para criar um espaço de paz e de estabilidade que permita o progresso económico e o equilíbrio político,é indispensável uma cooperação confiante e corajosa.

Por conseguinte, faço sentidos votos por que a solidariedade internacional, sobretudo em favor da África, conheça um renovado impulso, a fim de que esse continente, tão duramente provado, possa comprometer-se de modo decidido pelo caminho do seu progresso integral, da reconciliação e da paz.

Por outro lado, as numerosas dificuldades que o continente africano conhece contribuem para acentuar a expansão do fenómeno migratório e as graves questões que ele origina. Como Vossa Excelência ressaltou, Senhor Embaixador, um importante número de cabo-verdianos foi obrigado a emigrar para procurar melhores condições de vida. Sem dúvida, é dever dos países que recebem as pessoas imigradas praticar um acolhimento fraterno e legislar para favorecer a sua digna inserção na sociedade, respeitando a sua identidade legítima.

Mas, também é necessário considerar os desequilíbrios socioeconómicos, os riscos de uma mundialização sem regras, assim como situações de violência ou de violação dos direitos da pessoa que são factores importantes das migrações. A solidariedade internacional deveria permitir que todos, no seu país, vivam na dignidade e ponham em prática os dons que receberam do Criador.

Por seu intermédio, Senhor Embaixador, gostaria de dirigir também uma cordial saudação aos Bispos do seu país, assim como a toda a comunidade católica. A recente criação da diocese de Mindelo é um sinal da sua vitalidade. Por conseguinte, desejo aos católicos que continuem corajosamente o seu compromisso com todos os seus concidadãos, para construir uma sociedade cada vez mais justa e fraterna.

No momento em que Vossa Excelência inicia a sua missão junto da Santa Sé, apresento-lhe os meus melhores votos pela nobre tarefa que o espera. Junto dos meus colaboradores encontrará sempre o acolhimento atento e a compreensão cordial da qual poderá ter necessidade.

Sobre Vossa Excelência, sobre a sua família e colaboradores, sobre o povo cabo-verdiano e seus dirigentes, invoco de todo o coração a abundância das Bênçãos do Altíssimo.


*L'Osservatore Romano n. 21 pp. 7, 9.

 

© Copyright 2006 - Libreria Editrice Vaticana

 

top