The Holy See
back up
Search
riga
DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AOS PARTICIPANTES NA ASSEMBLEIA PLENÁRIA
DO PONTIFÍCIO CONSELHO PARA OS LEIGOS

Sábado, 15 de Novembro de 2008

Senhores Cardeais
Venerados Irmãos
no Episcopado e no Sacerdócio
Queridos irmãos e irmãs!

Sinto-me feliz por receber hoje a todos vós, Membros e Consultores do Pontifício Conselho para os Leigos, reunidos em Assembleia plenária. Saúdo o Senhor Cardeal Stanislaw Rylko e D. Josef Clemens, Presidente e Secretário do Conselho, e juntamente com eles saúdo os outros Prelados presentes. Dou especiais boas-vindas aos fiéis leigos provenientes de diversas experiências apostólicas e de vários contextos sociais e culturais. O tema escolhido para a vossa Assembleia "Vinte anos após a Christifideles laici: memória, desenvolvimento, novos desafios e tarefas" introduz-nos directamente no serviço que o vosso Pontifício Conselho foi chamado a oferecer à Igreja para o bem dos fiéis do mundo inteiro.

A Exortação apostólica Christifideles laici, definida a magna charta do laicado católico no nosso tempo, é o fruto maduro das reflexões e dos intercâmbios de experiências e de propostas da VII Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, que teve lugar no mês de Outubro de 1987 sobre o tema "Vocação e missão dos leigos na Igreja e no mundo". Trata-se de uma revisitação orgânica dos ensinamentos do Concílio Vaticano II relativos aos leigos, à sua dignidade de baptizados, à vocação para a santidade, à pertença à comunhão eclesial, à participação na edificação das comunidades cristãs e à missão da Igreja, ao testemunho em todos os âmbitos sociais e ao compromisso no serviço da pessoa para o seu crescimento integral e para o bem comum da sociedade temas presentes sobretudo nas Constituições Lumen gentium e Gaudium et spes, como também no Decreto Apostolicam actuositatem.

Enquanto retoma os ensinamentos do Concílio, a Christifideles laici orienta o discernimento, o aprofundamento e a orientação do compromisso laical na Igreja face às numerosas mudanças sociais destes anos. Desenvolveu-se em muitas Igrejas particulares a participação dos leigos graças aos conselhos pastorais, diocesanos e paroquiais, revelando-se muito positiva porque animada de um autêntico sensus Ecclesiae. A profunda consciência da dimensão carismática da Igreja levou a apreciar e a valorizar quer os carismas mais simples que a Providência de Deus dispensa às pessoas, quer os que dão grande fecundidade espiritual, educativa e missionária. Não é ocasional que o Documento reconheça e encoraje a "nova época agregativa dos fiéis leigos", sinal da "riqueza e da versatilidade dos recursos que o Espírito alimenta no tecido eclesial" (n. 29), indicando aqueles "critérios de eclesialidade" que são necessários, por um lado, para o discernimento dos Pastores e, por outro, para o crescimento da vida das associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades. A este propósito desejo agradecer ao Pontifício Conselho para os Leigos, de modo muito especial, pelo trabalho realizado durante os passados decénios no acolhimento, acompanhamento, discernimento, reconhecimento e encorajamento destas realidades eclesiais, favorecendo o aprofundamento da sua identidade católica, ajudando-as a inserir-se mais amplamente na grande tradição e no tecido vivo da Igreja, e favorecendo o seu desenvolvimento missionário.

Falar do laicado católico significa referir-se a numerosas pessoas baptizadas, comprometidas em numerosas e diversas situações para crescer como discípulos e testemunhas do Senhor e redescobrir e experimentar a beleza da verdade e a alegria de ser cristãos. A actual condição cultural e social torna ainda mais urgente esta acção apostólica para partilhar a mãos-cheias o tesouro de graça e de santidade, de caridade, doutrina, cultura e obras, de que se compõe o fluxo da tradição católica. As novas gerações são não só destinatárias preferenciais desta transmissão e partilha, mas também sujeitos que aguardam no próprio coração propostas de verdade e de felicidade para poder dar-lhe testemunho cristão, como já se verifica de modo admirável. Eu mesmo fui testemunha disto de novo em Sidney, na recente Jornada Mundial da Juventude. E por isso encorajo o Pontifício Conselho para os Leigos a prosseguir a obra desta providencial peregrinação global dos jovens no nome de Cristo, e a empenhar-se na promoção, em toda a parte, de uma autêntica educação e pastoral juvenil.

Conheço também o vosso compromisso em relação a questões de especial relevo, como é a da dignidade e participação das mulheres na vida da Igreja e da sociedade. Já tive ocasião de apreciar o Congresso por vós promovido vinte anos após a promulgação da Carta apostólica Mulieris dignitatem, sobre o tema "Mulher e homem, o humanum na sua inteireza". O homem e a mulher, iguais em dignidade, são chamados a enriquecer-se reciprocamente em comunhão e colaboração, não só no matrimónio e na família, mas também na sociedade em todas as suas dimensões. Às mulheres cristãs exigem-se consciência e coragem para enfrentar tarefas exigentes, para as quais contudo não lhes falta o apoio de uma marcada propensão para a santidade, de uma especial perspicácia no discernimento das correntes culturais do nosso tempo, e da particular paixão no cuidado do que é humano que as caracteriza. Nunca se dirá o suficiente de quanto a Igreja reconheça, aprecie e valorize a participação das mulheres na sua missão de serviço para a difusão do Evangelho.

Queridos amigos, permiti que faça uma última reflexão relativa à índole secular que é característica dos fiéis leigos. O mundo, na trama da vida familiar, de trabalho, social, é lugar teológico, âmbito e meio de realização da sua vocação e missão (cf. Christifideles laici, 15-17). Cada ambiente, circunstância e actividade na qual se espera que possa resplandecer a unidade entre a fé e a vida é confiado à responsabilidade dos fiéis leigos, movidos pelo desejo de comunicar o dom do encontro com Cristo e a certeza da dignidade da pessoa humana. A eles compete encarregar-se do testemunho da caridade especialmente com os mais pobres, sofredores e necessitados, assim como assumir qualquer compromisso cristão destinado a construir condições de justiça e de paz sempre maiores na convivência humana, de modo a abrir novas fronteiras ao Evangelho! Peço portanto ao Pontifício Conselho para os Leigos que siga com diligente cuidado pastoral a formação, o testemunho e a colaboração dos irmãos leigos nas mais diversas situações nas quais estão em jogo a autêntica qualidade humana da vida na sociedade. De modo particular, insisto na necessidade e na urgência da formação evangélica e do acompanhamento pastoral de uma nova geração de católicos comprometidos na política, que sejam coerentes com a fé professada, que tenham rigor moral, capacidade de juízo cultural, competência profissional e paixão de serviço pelo bem comum.

O trabalho na grande vinha do Senhor precisa de christifideles laici que, como a Santíssima Virgem Maria, digam e vivam o "fiat" ao desígnio de Deus na sua vida. Com esta perspectiva, agradeço-vos portanto o vosso precioso contributo para tão nobre causa e concedo de coração a vós e aos vossos entes queridos a Bênção Apostólica.

© Copyright 2008 - Libreria Editrice Vaticana

top