The Holy See
back up
Search
riga

ENCERRAMENTO DA SEMANA DE ORAÇÃO PELA UNIDADE DOS CRISTÃOS

HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II

Basílica de São Paulo fora dos Muros
25 de Janeiro de 2001

 

1. "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida" (Jo 14, 6). Estas palavras do Evangelho de João iluminaram, como uma lâmpada, a Semana de oração pela unidade dos cristãos que hoje se conclui; elas resplandecem como uma espécie de programa para o novo milénio, em que entrámos.

Sinto-me feliz por dirigir uma deferente e cordial saudação aos Delegados das Igrejas e Comunidades eclesiais, que aceitaram o meu convite e hoje estão aqui presentes para participar desta celebração ecuménica da Palavra, com a qual desejamos concluir de maneira solene os dias dedicados a uma oração mais intensa pela grande causa que é muito querida a todos nós.

Através dos Membros das Delegações aqui reunidas desejo fazer chegar aos responsáveis e aos fiéis das respectivas Confissões, juntamente com a minha saudação, um fraterno abraço de paz.

2. "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida". O coração do homem, como o dos discípulos de Jesus, muitas vezes fica perturbado perante os acontecimentos imprevisíveis da existência (cf. Jo 14, 1). Muitos, sobretudo jovens, interrogam-se acerca do caminho que devem percorrer. Na tempestade de palavras com que hoje em dia são assaltados, perguntam qual é a verdade, a direcção justa, como se pode vencer com a vida o poder da morte.

São interrogações fundamentais, que exprimem o despertar em muitas pessoas de uma saudade da dimensão espiritual da existência. A estas perguntas Jesus já respondeu quando afirmou: "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida". Hoje a tarefa dos cristãos é propor de novo, com a força do seu testemunho, este anúncio decisivo. Só desta forma a humanidade contemporânea poderá descobrir que Cristo é o poder e a sabedoria de Deus (cf. 1 Cor 1, 24), que unicamente n'Ele se pode encontrar a plenitude de qualquer aspiração humana (cf. Gaudium et spes, 45).

3. O movimento ecuménico do século XX teve o grande mérito de reafirmar claramente a necessidade deste testemunho. Depois de séculos de separação, de incompreensões, de indiferença e, infelizmente, de oposições, voltou a surgir nos cristãos a consciência de que a fé em Cristo os une, e de que ela é uma força capaz de superar o que os divide (cf. Carta Encíclica Ut unum sint, 20). Pela graça do Espírito Santo, com o Concílio Vaticano II, a Igreja católica empenhou-se de maneira irreversível em percorrer o caminho da busca ecuménica (cf. Ibid., 3).

Não se devem e não se podem diminuir as diferenças ainda existentes entre nós. O verdadeiro empenho ecuménico não procura compromissos e não faz concessões no que se refere à Verdade. Sabe-se que as separações entre os cristãos são contrárias à vontade de Cristo; sabe-se que elas são um escândalo, que enfraquece a voz do Evangelho. O seu esforço não é ignorá-las, mas superá-las.

Ao mesmo tempo, a consciência do que ainda falta para a plena comunhão faz com que apreciemos em maior medida o que já partilhamos. De facto, apesar dos mal-entendidos e dos numerosos problemas que ainda impedem que nos sintamos plenamente unidos, elementos importantes de santificação e de verdade da única Igreja de Cristo, mesmo fora das fronteiras visíveis da Igreja católica, impelem para a plena unidade (cf. Lumen gentium, 8, 15); (Unitatis redintegratio, 3). Com efeito, para além dos limites da Igreja católica não existe o vazio eclesial (cf. Ut unum sint, 13). Pelo contrário, existem muitos frutos do Espírito como, por exemplo, a santidade e o testemunho de Cristo, que por vezes chegou à efusão do sangue, que levam à admiração e à gratidão (cf. Unitatis redintegratio, 4; Ut unum sint, 12, 15).

Os diálogos que se desenvolveram, do Concílio Vaticano II em diante, originaram uma nova consciência da herança e da missão comum dos cristãos, e deram resultados muito significativos. Sem dúvida não atingimos a meta, mas demos importantes passos em frente. De estranhos e, muitas vezes, adversários como éramos, aproximámo-nos e tornámo-nos amigos. Descobrimos a fraternidade cristã. Sabemos que o nosso Baptismo nos insere no único Corpo de Cristo, numa comunhão que, não sendo ainda plena, contudo é real (cf. Ut unum sint, 41 s.). Temos todas as razões para louvar o Senhor e para lhe agradecer.

4. Com sentimentos de profundo reconhecimento, repasso na mente o Ano jubilar. Ele registou, no empenho ecuménico, sinais verdadeiramente proféticos e impressionantes (cf. Novo millennio ineunte, 12).

Permanece vivo na memória o encontro nesta Basílica, no dia 18 de Janeiro de 2000, quando pela primeira vez uma Porta foi aberta na presença de Delegados das Igrejas e Comunidades eclesiais de todo o mundo. Aliás, o Senhor ainda me concedeu mais: pude passar o limiar daquela Porta, símbolo de Cristo, ladeado pelo representante do meu Irmão do Oriente, o Patriarca Bartolomeu e pelo próprio Primaz da Comunhão Anglicana. Por um instante - um instante muito breve! - caminhámos juntos. Como foi encorajadora aquela breve caminhada, sinal da providência de Deus ao longo do caminho que falta percorrer! Encontrámo-nos juntos com os representantes de numerosas Igrejas e Comunidades eclesiais em 7 de Maio, em frente do Coliseu, para a comemoração das Testemunhas da fé do século XX: sentimos aquela celebração como uma semente de vida para o futuro (cf. Novo millennio ineunte, 7, 41).

Aderi com alegria à iniciativa do Patriarca ecuménico, Bartolomeu I, de celebrar o milénio com um dia de oração e de jejum, na vigília da Transfiguração, no dia 6 de Agosto de 2000. Penso também com sentimentos de comoção interior nos encontros ecuménicos que pude ter durante a minha peregrinação ao Egipto, ao Monte Sinai e, sobretudo, à Terra Santa.

Recordo ainda com gratidão a visita da Delegação que me enviou o Patriarca ecuménico para a festa dos Santos Pedro e Paulo, e a visita do Patriarca Supremo e Catholicos de todos os Arménios, Karekin II. Nem posso esquecer as pessoas de tantos representantes das outras Igrejas e Comunidades eclesiais, que encontrei em Roma nestes últimos meses.

5. O Jubileu chamou também a nossa atenção, de maneira salutar, para as dolorosas separações que ainda existem. Não seria honesto encobri-las ou ignorá-las. Contudo, elas não devem transformar-se em acusações recíprocas ou provocar desânimo. O sofrimento devido às incompreensões ou mal-entendidos deve ser superado com a oração e a penitência, com gestos de amor, com a investigação teológica. As questões que ainda estão abertas não devem ser sentidas como um obstáculo ao diálogo, mas como um convite ao confronto franco e amigo. Volta a pergunta: Quanta est nobis via? (Quanto caminho falta?) Não nos é concedido sabê-lo, mas anima-nos a esperança de sermos guiados pela presença do ressuscitado e pela força inexaurível do seu Espírito, capaz de surpresas sempre novas (cf. Novo millennio ineunte, 12).

Fortalecidos por esta certeza, olhemos para o novo milénio. Ele está diante de nós como uma enorme extensão de água na qual devemos lançar as redes (cf. Lc 5, 6 s). O meu pensamento dirige-se, sobretudo, aos jovens que edificarão o novo século e poderiam mudar o seu rumo. O nosso testemunho concorde é um dever em relação a eles.

6. Nesta perspectiva, a purificação da memória é uma tarefa fundamental. No segundo milénio estivemos opostos e divididos, condenámo-nos e combatemo-nos reciprocamente. Devemos esquecer as sombras e as feridas do passado e orientar-nos para a hora de Deus que vem (cf. Fil 3, 13).

Purificar a memória significa também construir uma espiritualidade de comunhão (Koinônia), à imagem da Trindade, que encarna e manifesta a própria essência da Igreja (cf. Novo millennio ineunte, 42). Devemos viver concretamente a comunhão que, apesar de não ser plena, já existe entre nós. Deixando para trás as incompreensões, devemos encontrar-nos, conhecer-nos melhor, aprender a amar-nos reciprocamente, colaborar fraternalmente juntos na medida do possível.

Contudo, o diálogo da caridade não seria sincero sem o diálogo da verdade. A superação das nossas diferenças requer uma séria busca teológica. Não podemos passar por cima das diferenças; não podemos modificar o depósito da fé. Mas podemos, sem dúvida, procurar aprofundar a doutrina da Igreja à luz das Sagradas Escrituras e dos Santos Padres, e explicá-la de forma que ela hoje seja compreensível.

Contudo, não nos é concedido "fazer a unidade". Ela é dom do Senhor. Por conseguinte, devemos rezar, como fizemos ao longo desta semana, para que nos seja concedido o Espírito da unidade. A Igreja católica, em cada celebração eucarística reza: "Senhor, não olheis para os nossos pecados, mas para a fé da vossa Igreja, e dai-lhe a unidade e a paz segundo a vossa vontade". A oração pela unidade encontra-se em cada Eucaristia. Ela é a alma de todo o movimento ecuménico (cf. Ut unum sint, 21).

7. O novo ano que acabou de se iniciar é um tempo propício como nunca para testemunharmos juntos que Cristo é "o Caminho, a Verdade e a Vida". Teremos a oportunidade de o fazer, e já se delineiam ocasiões promissoras. Por exemplo, em 2001, todos os cristãos celebrarão a Ressurreição de Cristo na mesma data. Isto deveria encorajar-nos a encontrar um consenso para uma data comum para esta festa. A vitória de Cristo sobre a morte e sobre o ódio inspirou também a iniciativa do Conselho Ecuménico das Igrejas de dedicar os próximos dez anos a pôr termo à violência.

É grande a minha expectativa para as viagens que me levarão à Síria e à Ucrânia. O meu desejo é que elas contribuam para a reconciliação e a paz entre os cristãos. Far-me-ei mais uma vez peregrino, pelos caminhos do mundo a fim de testemunhar Cristo "Caminho, Verdade e Vida".

A vossa presença nesta celebração, caríssimos Delegados das Igrejas e Comunidades eclesiais, encoraja-me neste empenho, que sinto como parte essencial do meu ministério. Prossigamos juntos, com renovado impulso, no caminho para a plena unidade! Cristo caminha connosco.

A Ele a glória nos séculos dos séculos. Amen.

 

 

© Copyright 2001- Libreria Editrice Vaticana

 

top