The Holy See
back up
Search
riga
DISCURSO DO PAPA BENTO XVI
AO CONSELHO SUPERIOR
DAS PONTIFÍCIAS OBRAS MISSIONÁRIAS

Sábado, 17 de Maio de 2008

Senhor Cardeal
Venerados Irmãos
no Episcopado e no Sacerdócio
Estimados irmãos e irmãs

É-me particularmente grato encontrar-me com todos vós, que estais directamente comprometidos nas Pontifícias Obras Missionárias, organismos ao serviço do Papa e dos Bispos das Igrejas locais, para realizar o mandato missionário de evangelizar os povos até aos extremos confins da Terra. Ao Senhor Cardeal Ivan Dias, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, dirijo em primeiro lugar o meu cordial agradecimento pelas palavras que me transmitiu em nome de todos os presentes. Faço extensiva a minha saudação ao Secretário e a todos os colaboradores do Dicastério missionário, sacerdotes, religiosos, religiosas, leigos e leigas. Caríssimos, graças à vossa intensa obra a afirmação do Concílio segundo a qual "toda a Igreja é por sua natureza missionária", torna-se uma realidade concreta. As Pontifícias Obras Missionárias têm o carisma de promover entre os cristãos a paixão pelo Reino de Deus, que deve implantar-se em toda a parte através da pregação do Evangelho. Tendo nascido com esta inspiração universal, elas constituíram um instrumento precioso nas mãos dos meus Predecessores, que as elevaram à categoria de Pontifícias, recomendando aos Bispos que as instituíssem nas respectivas dioceses. O Concílio Vaticano II reconheceu justamente o lugar prioritário das mesmas na cooperação missionária, uma vez "que elas são meios quer para imbuir os católicos, desde a infância, de um sentido verdadeiramente universal e missionário, quer para encorajar uma eficaz colecta de subsídios para o bem de todas as missões, segundo a necessidade de cada uma" (Ad gentes, 38). O Concílio aprofundou de modo especial a natureza e a missão da Igreja particular, reconhecendo a sua plena dignidade e responsabilidade missionária.

A missão é uma tarefa e um dever de todas as Igrejas que, como vasos comunicantes, compartilham pessoas e recursos para a realizar. Cada Igreja local é o povo escolhido entre as gentes, convocado na unidade do Pai e do Filho e do Espírito Santo, para "fazer conhecer as maravilhas daquele que os chamou das trevas para a sua luz admirável" (Lumen gentium, 10). Ela é o lugar onde o Espírito, se manifesta com a riqueza dos seus carismas, confiando a cada um dos fiéis a chamada e a responsabilidade da missão. A sua missão é de comunhão. Aos germes de desagregação entre os homens, que a experiência quotidiana mostra tão arraigados na humanidade por causa do pecado, a Igreja local opõe a força geradora de unidade do Corpo de Cristo.

O Papa João Paulo II podia afirmar com alegria que "se multiplicaram as Igrejas locais, dotadas do seu Bispo, clero e agentes apostólicos... a comunhão entre as Igrejas contribui para um vivo intercâmbio de bens espirituais e de dons... está-se a afirmar uma nova consciência, isto é, de que a missão compete a todos os cristãos, a todas as dioceses e paróquias, às instituições e associações eclesiais" (Redemptoris missio, 2). Graças à reflexão que desenvolveram ao longo destas décadas, as Pontifícias Obras Missionárias inseriram-se no contexto dos novos paradigmas de evangelização e do modelo eclesiológico de comunhão entre as Igrejas. É claro que elas são Pontifícias, mas por direito são inclusivamente episcopais, enquanto instrumentos nas mãos dos Bispos para realizar o mandato missionário de Cristo. "Embora sejam as Obras do Papa, as Pontifícias Obras Missionárias são também de todo o Episcopado e de todo o Povo de Deus" (Paulo VI, Mensagem para o Dia Mundial Missionário de 1968). Elas são o instrumento específico, privilegiado e principal para a educação no espírito missionário universal, para a comunhão e a colaboração intereclesial no serviço do anúncio do Evangelho (cf. Estatuto, 18).


Também nesta fase da história da Igreja, que se reconheceu pela sua natureza missionária, o carisma e o trabalho das Pontifícias Obras Missionárias não se esgotaram e não devem faltar. Ainda é urgente e necessária a missão de evangelizar a humanidade. A missão é um dever, ao qual é necessário corresponder: "Ai de mim, se eu não evangelizar!" (1 Cor 9, 16). O Apóstolo Paulo, a quem a Igreja dedica um ano especial, na recordação dos dois mil anos do nascimento, compreendeu no caminho de Damasco e depois experimentou ao longo do sucessivo ministério que a redenção e a missão são actos de amor. É o amor de Cristo que o impele a percorrer os caminhos do império romano, a ser arauto, apóstolo e propagador do Evangelho (cf. 2 Tm 2, 1.11), e a fazer-se tudo para todos, a fim de salvar alguns a todo o custo (cf. 1 Cor 9, 22). "Quem anuncia o Evangelho participa na caridade de Cristo, que nos amou e se entregou por nós (cf. Ef 5, 2), é seu embaixador e suplica em nome de Cristo: deixai-vos reconciliar com Deus (cf. 2 Cor 5, 20)!" (Congregação para a Doutrina da Fé, Nota sobre alguns aspectos doutrinais da evangelização, n. 10). É o amor que nos deve impelir a anunciar com franqueza e coragem a todos os homens a verdade que salva (cf. Gaudium et spes, 28). Um amor que se deve irradiar em toda a parte e alcançar o coração de cada homem. Com efeito, os homens esperam Cristo.

As palavras de Jesus: "Ide, pois, ensinai todas as nações, baptizando-as em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-as a cumprir tudo quanto vos tenho mandado" (Mt 28, 19-20), ainda constituem um mandato missionário para a Igreja inteira e para cada fiel de Cristo. Este compromisso apostólico é um dever e também um direito irrenunciável, expressão própria da liberdade religiosa, que tem as suas correspondentes dimensões ético-sociais e ético-políticas (cf. Dignitatis humanae, 6). Às Pontifícias Obras Missionárias é pedido que façam da missio ad gentes o paradigma de toda a actividade pastoral. A elas, e de modo particular à Pontifícia União Missionária, cabe a tarefa de "promover, ou seja, de difundir cada vez mais no povo cristão o mistério da Igreja, isto é, um espírito missionário concreto" (Paulo VI, Graves et increscentes). Estou persuadido de que continuareis a comprometer-vos com todo o vosso entusiasmo, para que as vossas Igrejas locais assumam cada vez mais generosamente a parte de responsabilidade que lhes compete na missão universal.

A todos, a minha Bênção.

© Copyright 2008 - Libreria Editrice Vaticana

top