The Holy See
back up
Search
riga

VIAGEM APOSTÓLICA DO SANTO PADRE AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

AOS RELIGIOSOS NA FESTA DE SÃO FRANCISCO

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II

Quinta-feira, 4 de Outubro de 1979

 

Irmãos em Cristo

Agradeço ao meu Deus todas as vezes que, penso em vós; e sempre que rezo por vós, rezo com alegria, lembrando-me de como vós colaborastes na difusão da Boa Nova, desde o dia em que a ouvistes pela primeira vez até ao presente (Flp 1, 3-5). Estas palavras de São Paulo exprimem os meus sentimentos desta tarde. É belo estar convosco. E estou grato a Deus pela vossa presença na Igreja e pela vossa colaboração no proclamar a Boa Nova.

1. Irmãos, Cristo é a finalidade e a medida da nossa vida. A vossa vocação teve origem no conhecimento de Cristo; e a vossa vida é sustentada pelo Seu amor. Porque vos chamou a segui-1'O mais de perto, com uma vida consagrada pela profissão dos conselhos evangélicos. Vós segui-1'O com sacrifício e generosidade espontânea. Vós segui-1'O com alegria cantando a Deus do íntimo do coração salmos, hinos e cânticos espirituais (Col 3, 16): Segui-1'O com fidelidade, considerando até uma honra sofrer humilhações pelo Seu nome (Act 5, 42).

A vossa consagração religiosa é essencialmente um acto de amor. E imitação de Cristo, que se entregou ao Seu Pai para salvar o mundo. Em Cristo estão unidos o Seu amor pelo Pai e o amor pelos homens.

E convosco acontece o mesmo. A vossa consagração religiosa não só reforçou o dom baptismal de união com a Trindade, mas também vos chamou a um serviço. maior do povo de Deus. Vós estais mais próximos da pessoa de Cristo, e participais mais da Sua missão de salvar o mundo.

Esta tarde quero falar da vossa participação na missão de Cristo.

2. Antes de tudo recordo-vos as qualidades pessoais que são necessárias para poder alguém participar com eficácia na missão de Cristo. Em primeiro lugar, deveis ser livres, interior e espiritualmente. Para muitos a liberdade de que falo é um paradoxo; existem equívocos inclusivamente em alguns que fazem parte da Igreja. Todavia é a liberdade fundamental do homem, e foi-nos ganha por Cristo na Cruz. Como disse São Paulo: Éramos ainda impotentes quando no momento predestinado Cristo morreu pelos pecadores (Rom 5, 6).

Esta liberdade espiritual recebida no Baptismo, procurastes vós aumentá-la e fortificá-la aceitando generosamente o chamamento para seguir Jesus de perto, na pobreza, na castidade e na obediência. Seja o que for o que os outros digam ou o mundo creia, as vossas promessas de observar os conselhos evangélicos não sufocaram a vossa liberdade: obedientes, não sois menos livres; e o celibato não vos torna menos capazes de amar, pelo contrário. A prática fiel dos conselhos evangélicos vinca a dignidade do homem, liberta o coração e faz arder o espírito de amor total por Cristo e pelos Seus irmãos no mundo (Perfectae Caritatis, 1, 12).

Mas tal liberdade de coração (1 Cor 7, 32-35) deve ser mantida pela vigilância contínua e pela oração ardente. Se estiverdes constantemente unidos a Cristo na oração, estareis sempre livres e cada vez mais disponíveis para participar na sua missão.

3. Em segundo lugar, deveis colocar a Eucaristia no centro da vossa vida. Participando embora de tantos modos na paixão, morte e ressurreição de Cristo, é na Eucaristia de modo particular que esta participação é celebrada e tornada eficaz. Na Eucaristia renova-se o espírito, alimenta-se a inteligência e o coração, e encontrareis a força para viver, dia após dia, para Ele, Redentor do mundo.

4. Em terceiro lugar, sede fiéis ao Evangelho. Recordai-vos das palavras de Jesus: Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática (Lc 8, 21). Se escutardes a palavra de Deus com sinceridade, e procurardes pô-la em prática humildemente mas com perseverança, a Sua palavra dará frutos na vossa vida, como a semente caída em terra fértil.

5. O quarto e último elemento que torna eficaz a vossa participação na missão de Cristo é a vida com os irmãos. A vida em comunidade religiosa é expressão concreta de amor pelos outros. As exigências de renúncia a si próprio e de serviço generoso criam a comunidade; o amor que vos une como irmãos na comunidade constitui, por seu lado, força que vos sustenta no vosso trabalho pela Igreja.

6. Irmãos em Cristo, hoje a Igreja universal presta culto a São Francisco de Assis. Pensando neste grande santo recordo a sua alegria perante a criação, a sua simplicidade inocente, a sua união poética com a "Senhora Pobreza", o seu zelo missionário e o seu desejo de aceitar totalmente a Cruz de Cristo. Que magnifica herança vos deixou, a vós que sois Franciscanos, e a todos nós!

Do mesmo modo, exaltou Deus muitos outros homens e mulheres de santidade excepcional. Destinou, estes também, a fundarem comunidades religiosas que — cada uma por caminhos diversos — deviam desempenhar papéis importantes na vida da Igreja. O segredo da realização de cada Instituto religioso foi a sua fidelidade ao carisma inicial que Deus encontrou no fundador ou na fundadora, para enriquecer a Igreja. Por este motivo repito as palavras de Paulo VI: "Sede fiéis ao espírito dos vossos fundadores, às suas intenções evangélicas, ao exemplo da sua santidade... É precisamente aqui que tem origem o dinamismo próprio de cada família religiosa" (Evangelica Testificatio, 11-12). E esta fidelidade continua a ser critério seguro para se julgar de quais actividades eclesiais o Instituto e cada membro deveriam incumbir-se, a fim de contribuírem para a missão de Cristo.

7. Nunca esqueçais a finalidade exacta do serviço apostólico: conduzir os homens e as mulheres dos nossos dias à comunhão com a Santíssima Trindade. No nosso tempo existe a tentação crescente de procurar a segurança na propriedade, na ciência e no poder. Dando testemunho com uma vida consagrada a Cristo na pobreza, castidade e obediência, vós pondes em dúvida aquela falsa segurança. Vós recordais aos homens que só Cristo é o caminho, a verdade e a vida (Jo 14, 6.).

8. Hoje os religiosos trabalham numa vasta gama de actividades: ensinam nas escolas católicas, levam a palavra de Deus ao campo missionário, enfrentam necessidades humanas com a inteligência e a acção, servem com a oração e o sacrifício. Enquanto trabalhais, cada qual no seu sector, tende presente o conselho de São Paulo: Tudo o que fizeres fá-lo com todo o teu ser, fá-lo para o Senhor mais do que para os homens (Col 3, 23). A medida do vosso rendimento será o grau do vosso amor por Jesus.

9. Finalmente: todas as formas de serviço apostólico — do indivíduo ou da comunidade — devem estar em sintonia com o Evangelho explicado pelo Magistério. Uma vez que todo o serviço cristão deve levar o Evangelho aos homens, todo o serviço cristão deve ser portador de valores evangélicos. Sede, portanto, homens da palavra de Deus: homens cujo coração arde quando ouvem proclamar a palavra (Lc 24, 32); que agem segundo os seus mandamentos; que desejam que a Boa Nova seja proclamada até às terras mais longínquas.

Irmãos, a vossa presença na Igreja, a vossa colaboração na difusão do Evangelho são encorajamento e alegria para mim, na minha missão de Pastor de toda a Igreja. Deus vos dê longa vida e chame muitos outros a seguir Cristo na vida religiosa. A Virgem Maria, Mãe da Igreja e exempla de vida consagrada, obtenha para vós a alegria e a consolação do seu Filho Cristo.

 

© Copyright 1979 - Libreria Editrice Vaticana

 

top